segunda-feira, 7 de outubro de 2019

ATUAIS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA





É tema recorrente, no país, o caos na área educacional. Entra governo e sai governo e o quadro não muda. Isso acontece porque Educação nunca foi política prioritária no Brasil. Decorrente do descaso, há numerosos e difíceis desafios a serem enfrentados. Posicionado entre os 10 países mais desiguais do mundo, o Brasil possui quase 12 milhões de analfabetos e mais da metade dos adultos entre 25 e 64 anos não concluíram o Ensino Médio. São quase dois milhões de crianças e jovens de 4 a 17 anos fora da escola e 6,8 milhões de crianças de 0 a 3 anos sem vaga em creche.
O Brasil ocupa o 53º lugar em educação, entre 65 países avaliados (PISA). Mesmo com o programa social que incentivou a matrícula de 98% de crianças entre 6 e 12 anos, 731 mil crianças ainda estão fora da escola (IBGE). O analfabetismo funcional de pessoas entre 15 e 64 anos foi registrado em 28% no ano de 2009 (IBOPE); 34% dos alunos que chegam ao 5º ano de escolarização ainda não conseguem ler (Todos pela Educação); 20% dos jovens que concluem o ensino fundamental, e que moram nas grandes cidades, não dominam o uso da leitura e da escrita (Todos pela Educação). Muitos professores recebem menos que o piso salarial. Há uma gritante desigualdade entre os salários dos poderes da República.
O Brasil trata os professores com desrespeito. Vejam-se alguns salários imerecidos no país: um professor: R$ 2.455,35 (MEC, 2018); um deputado: R$141.000,00 por mês aos cofres públicos (mais de R$ 2.000.000,00 ao ano – Congresso em foco); um Senador: R$596.000,00 por mês aos cofres públicos (Congresso em foco); um ministro do STF custa R$ 527.000.000,00 milhões por ano aos cofres públicos (STF); um juiz: R$572.040,00, por ano, aos cofres públicos (STF).
 Isso significa que um professor ganha – de salário – cerca de 0,7% do total pago a deputados, 0,33% de senadores e ministros. Considere-se, ainda, que esses poderosos ainda têm direito a uma longa lista de benefícios, enquanto os professores são desrespeitados, aviltados em seus salários, em seus espaços de trabalho e, ainda, em suas vidas. Esses dados mostram que o Brasil não é um país sério.
Enquanto existir essa desigualdade entre os poderes e as profissões, não é possível avistar mudança no cenário educacional brasileiro. É um quadro crítico, fruto de décadas de descaso, em um país que nunca colocou a Educação entre as prioridades da agenda política nacional. Esse é o legado que recebeu o Governo Bolsonaro.
São numerosos os problemas na área educacional, impossível abordá-los, todos, neste texto. Eles abrangem a equitativa universalização do acesso da Educação Infantil, Ensino Médio, Ensino Superior. Todas essas falhas transitam pelo direito à aprendizagem e a garantia de permanência escolar. Esse fere, de morte, à regulamentação do Sistema Nacional de Educação, tão necessária para a articulação e colaboração entre os entes federativos, à discussão do financiamento da Educação Básica (o prazo de vigência do UNDEB expira em 2020), a formação e atratividade da carreira de professor. Faz parte também da agenda da educação a melhoria da infraestrutura das redes de ensino, já que, em pleno século XXI, 14,3% das escolas não possui energia elétrica, esgoto, água e banheiro dentro do prédio e 55,2% não possui biblioteca ou sala de leitura.
Não haverá melhor cenário, no Brasil, sem a valorização do professor. Uma das profissões com maior número de profissionais no país (mais de 2 milhões). É urgente que esforços sejam envidados para garantir a formação inicial e continuada de qualidade. Os dados do Censo Escolar 2016 mostram que quase um quarto dos professores do Ensino Médio brasileiro não possuía formação superior compatível com as disciplinas que lecionava.
Nesse cenário, é urgente estruturar um plano de carreira atrativo para o magistério, de modo que os melhores alunos possam se interessar por seguir essa profissão. Hoje, apenas 2,4% dos alunos de 15 anos querem ser professor na Educação Básica, de acordo com o levantamento feito pela Interdisciplinaridade e Evidências no Debate Educacional - IEDE, com base nos dados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos - Pisa de 2015. 70% dos alunos de Pedagogia obtiveram notas no Exame Nacional do Ensino Médio – Enem, abaixo da média nacional, em 2015. O reflexo da baixa valorização da carreira está, inclusive, no fato de que mais de 50% dos professores ouvidos na Pesquisa Profissão Docente, feita pelo Ibope, todos pela Educação e Fundação Itaú Social, em 2018, afirmam que não recomendariam sua profissão a um jovem.
É urgente investir em Educação como fazem o Japão, Finlândia, México, Estados Unidos. Peru e Chile investem menos que o Brasil e apresentam melhores resultados. Nessa perspectiva, futuramente, os jovens de hoje serão pais menos escolarizados. Ou seja, estamos falando de capital humano, importante e influenciador, quando os pais exercerão influência menos positiva sobre seus filhos, algo que seria muito diferente se tivessem escolaridade maior.
O Brasil tem o segundo maior número de estudantes com baixa performance em matemática básica, ciências e leitura em uma lista de 64 países de todo o mundo. Cerca de 12,9 milhões de estudantes com 15 anos de idade - de um total de 15,1 milhões que compõem o universo do estudo - não têm capacidades elementares para compreender o que leem, nem conhecimentos essenciais de matemática e ciências. Destes, 1,1 milhão são brasileiros. E dentre 64 países analisados (PISA), o Brasil ficou atrás apenas da Indonésia, que tem 1,7 milhão de estudantes com baixo desempenho. Em termos percentuais, o país é o décimo pior avaliado, atrás de Catar, Peru, Albânia, Argentina, Jordânia, Indonésia, Colômbia, Uruguai e Tunísia. É um quadro que precisa mudar. Nós brasileiros necessitamos reagir diante destas desigualdades e fazer do magistério a profissão mais valorizada. Ninguém chega a nenhum lugar de destaque profissional sem passar pela escola e os professores.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

COMO NASCEU A INTELIGÊNCIA HUMANA



Fala-se muito sobre a inteligência humana. Dizem haver pessoas mais inteligentes que outras. Há quem afirme que as mulheres são mais inteligentes que os homens, porque possuem maior sensibilidade, guardam, por maior tempo, informações na memória. Mas o que impressiona, na humanidade, é o fato de entre tantos seres vivos somente o ser humano possuir inteligência. Como esse caso se deu? Por que o homo erectus possui a inteligência ausente nos outros animais?
Segundo a ciência, a resposta se deve ao fato de o surgimento da inteligência na raça humana ser um evento fortuito, raríssimo, e cuja possibilidade de vir a ocorrer  novamente, num ambiente natural, diga-se, em outro planeta, é um número astronomicamente pequeno. É um fenômeno raro de se repetir.  
Há, na Universidade Harvard, estudos do famoso biólogo Ernst Mayr que falam sobre a possibilidade de a natureza produzir seres inteligentes pelos processos evolutivos conhecidos. E, ali, ele afirma que os seres humanos são mesmo produtos sobrenaturais. De 30 milhões de espécies vivas, atualmente, e  cerca de 50 bilhões de outras espécies vivas ou que já viveram e sumiram, somente o Homo sapiens desenvolveu inteligência superior. A média de sobrevivência de uma dada espécie, na terra, anda por volta de 100.000 anos.  
Com base nesses estudos de Harvard, é possível afirmar que a espécie humana atual, o Homo erectus, existe  há 500.000 anos, aproximadamente. Mas foi há apenas 6.000 ou 8.000 anos a.C. que alguns homens abandonaram a vida selvagem, de caverna, e migraram à árdua agricultura, fato que tornou possível o aparecimento das primeiras aldeias sedentárias no Oriente Médio.  Assim, os primórdios da civilização humana e urbana remontam aos mais primitivos sítios neolíticos, em Jericó, há 6000 a.C. e em Jarmo, no Iraque, há 4500 a.C.
Ainda, tomando por fonte os estudos da Universidade de Harvard, particularmente aqueles do psicólogo e neurocientista David Goleman, há três tipo de inteligência:
A inteligência intelectual - É a inteligência analítica pela qual elaboramos conceitos e fazemos ciência. Com ela organizamos o mundo e solucionamos problemas objetivos. Nessa classificação reside o famoso QI (Quociente de inteligência) ao qual se deu tanta importância em todo o século XX.
A inteligência emocional – É a inteligência que foi popularizada pelo psicólogo e neurocientista de Harvard, David Goleman, com seu conhecido livro A Inteligência emocional (QE=Quociente emocional). Empiricamente ele mostrou o que era convicção de toda uma tradição de pensadores, desde Platão, passando por Santo Agostinho e culminando em Freud: a estrutura de base do ser humano não é a razão (logos), mas é emoção (pathos). Somos, primariamente, seres de paixão, empatia e compaixão e só em seguida, de razão. Quando combinamos QI com QE conseguimos nos mobilizar a nós e aos outros.
A inteligência espiritual - A prova empírica desse tipo de inteligências nasceu de pesquisas recentes, feitas nos últimos dez anos por neurólogos, neuropsicólogos, neurolinguistas e técnicos em magnetoencefalografia -- que estudam os campos magnéticos e elétricos do cérebro. Na convicção desses cientistas existe, em nós, cientificamente verificável, outro tipo de inteligência pela qual não só captamos fatos, idéias e emoções, mas percebemos os contextos maiores de nossa vida, totalidades significativas e nos faz sentir inseridos no todo. Essa inteligência torna o ser humano sensível a valores, a questões ligadas a Deus e à transcendência. Por isso ganhou o nome de inteligência espiritual. Também, por essa razão, neurobiólogos, como Persinger, Ramachandran e a física quântica de Danah Zohar batizaram essa região  da inteligência dos lobos temporais de "o ponto Deus", que aciona a necessidade humana de buscar um sentido para a vida.
A inteligência é nada mais que o conhecimento recebido pelo ser humano, o que podemos chamar de raciocínio, e utilizado por ele através do que chamamos de memória. Então podemos dizer que o raciocínio é a velocidade com que o ser humano recebe o conhecimento. Já a memória é o tempo que o conhecimento pode ser guardado na mente humana.
Assim, pelo que aprendemos, anteriormente, os seres humanos podem possuir mais ou menos energia em suas células. Um homem pode possuir mais que outro, ou uma mulher mais que outra. Mas normalmente as mulheres possuem mais energia que os homens. Desta forma o conhecimento se manifesta no homem e na mulher da seguinte maneira: analisando-se que a energia externa ao corpo do homem e da mulher é a mesma em proporções, e como o homem possui menor quantidade de energia no cérebro que as mulheres, a velocidade do conhecimento de fora para a sua mente será maior, ou seja, o homem tem um raciocínio mais rápido, a mulher um raciocínio mais lento.
Dessa forma, como a mulher possui mais energia em seu cérebro, a velocidade do conhecimento para sua mente será mais lenta, mas em compensação, a mulher por este mesmo motivo demorará mais tempo que o homem para perdê-lo, ou seja, elas possuem uma memória bem maior que a dos homens.
Nessa direção, se levarmos em conta que a inteligência é o conjunto formado pela memória mais raciocínio, os dois empatam. Porém a mulher, apesar de precisar de mais tempo para raciocinar, terá a memória a seu favor, e sempre terá opiniões mais sensatas que as dos homens, além de um temperamento bem mais calmo para chegar a conclusões satisfatórias.
Importante dizer que encontrou-se, num estudo da Universidade de Montreal, no Canadá, a descoberta, feita por cientistas, de existir mais de um "ponto de Deus" no cérebro humano. Em outras palavras, descobriu-se que experiências místicas são mediadas por diversas regiões cerebrais e sistemas normalmente implicados em um grande número de funções -- consciência de si mesmo, emoção, representação do corpo. O trabalho, publicado na edição atual de Neuroscience Letters, foi encabeçado pelo pesquisador Mario Beauregard."O principal objetivo foi identificar os correlatos neurais da experiência mística", diz Beauregard. "Isso não diminui o valor dessas experiências, nem confirma ou desconfirma a existência de Deus".
Agora, a questão crucial do ser humano, segundo estudos científicos, reside no fato de ele possuir a inteligência intelectual sem o desenvolvimento da inteligência sentimental. Daí nasce o conflito entre a razão e a emoção. E desse conflito surgem tantos episódios desabonadores da raça humana, como a brutalidade, a violência, a imbecilidade, a animalidade, o descontrole diante de fatos e situações da vida.
Então, é nesse desequilíbrio do sentimento e da razão que repousa, atualmente, a dolorosa realidade do mundo. O grande erro das criaturas humanas foi entronizar apenas a inteligência, olvidando os valores legítimos do coração nos caminhos da vida.
O ensinamento hinduísta, que remonta a milhares de anos, tem a sua versão poética da evolução: 
                   “a alma dorme na pedra, 
                   sonha na planta, 
                   agita-se no animal 
                   e desperta no homem.


        Nesse diapasão, mas com alguma diferença, grifa Leon Denis: 
                   “Na planta, a inteligência dormita; 
                   no animal, sonha; 
                  só no homem acorda, conhece-se, possui-se e torna-se consciente.”



quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

CIRURGIA PLÁSTICA: NECESSIDADE OU RECURSO DE AUTOESTIMA?



O culto pelo padrão de beleza perfeita leva à popularização das cirurgias plásticas pelo público feminino e também masculino. Para as mulheres há um padrão de beleza  imposto desde a infância pelos brinquedos como boneca Barbie: loira de cabelo liso, branca, alta, magérrima, cintura fina; Na fase adulta as pessoas continuam a serem bombardeadas  pelos meios de comunicação, que trazem uma beleza padronizada, de modelos anoréxicas, altas, brancas, cabelos lisos, rosto e corpos perfeitos. 
A população brasileira tem origem através de uma miscigenação de povos; os indígenas, africanos e europeus. Com essa miscigenação é difícil estabelecer somente um padrão de beleza. Muitas vezes as mulheres recorrem à cirurgia plástica por acharem que o seu busto é muito pequeno, ou o contrário, e isso é somente uma questão da genética a qual determinou o seu biotipo. 
 Mas a mulher não aceita esse biótipo, e acaba recorrendo a inúmeras cirurgias plásticas, que oferecem riscos a sua vida, sem contar a insatisfação, a baixa auto- estima, que vem do seu interior. Elas se veem assim feias, fora dos padrões, quando na realidade, não temos esse padrão.  Essa tem sido uma das causas, das inúmeras cirurgias plásticas, que colocam a vida dessa mulher em risco, e nem sem melhoram esse baixo autoestima.
Então, essa geração do século XXI é exigente em termos de padrões de beleza. E essa responsabilidade de cuidar e manter a  beleza do corpo é tarefa de grandes cirurgiões plásticos. Aqui, neste artigo, indica-se um grande profissional nessa área médica: o Dr. RONALD ARCE ALATRISTA, que poderá ser contatado pelo WathsApp +591 73153004. Super indico, o conheço há mais de 20 anos, assim como toda sua família, em especial a Dra. Adriana, que é minha filha de coração, médica em São Paulo.
Na cultura brasileira é como diz o poeta Vinícius de Moraes, “a beleza é fundamental”. Tanto interna quanto externa. Isso porque sentir-se bem com o corpo  gera um bem-estar na pessoa, maior alegria e, consequentemente, mais felicidade. Assim, a preocupação com a beleza estética está visivelmente presente na vida humana. Segundo uma pesquisa, 85% das pessoas cuidam da beleza como um hábito rotineiro. Entre as mulheres, esse índice é de 91%. Dados que justificam o crescente número de clinicas de estética. Em proporção a este crescimento, desenvolvem-se novas técnicas e preços mais acessíveis às pessoas. No Brasil, esses procedimentos são caríssimos. Mas no país vizinho (50 minutos de vôo direto, saindo de Cobija – terça e sexta), na cidade de Santa Cruz de la Sierra, essas intervenções cirúrgicas ganham preços atraentes e populares.
No Acre, há grande corrida de homens e mulheres para Santa Cruz de la Sierra, e dessa corrida está havendo muito exploração e o surgimento de clínicas clandestinas e “médicos suspeitos”, que atuam de qualquer forma, por preços ínfimos, sem nenhum cuidado com o paciente. Visam tão somente o dinheiro. E aquelas pessoas ingênuas procuram pelo mais barato e não pelo melhor. Ali há “gaviões” ávidos por presas. Toda atenção e cuidado é pouco por parte de quem se dirige ao lugar. O barato pode sair muito caro. Pode, também, custar a vida. Então, aqui está uma indicação segura, para que as pessoas não sejam iludidas por “maus profissionais” ou por “coyotes” que catam, nos aeroportos, as presas.
Dito isso acima, objetiva-se, neste artigo, recomendar, às mulheres e homens acreanos, um grande cirurgião em estética: Dr. Ronald Arce Alatrista. Esse médico é um profissional altamente capacitado, zeloso, cuidadoso e um ser humano inigualável. Ele realiza procedimentos que são verdadeiras obras de arte, tamanha a perfeição de seu trabalho médico. Recebe pessoas de várias partes do mundo. É considerado “mãos de ouro”, isso porque torna belo os corpos e os rostos nos quais realiza os procedimentos estéticos. Está atualizado com o que há de moderno e seguro no mundo da cirurgia plástica, quando realiza cursos regulares em São Paulo, Rio de Janeiro, Argentina, Estados Unidos.
Esse grande profissional trabalha na Clínica SIRANI (guardem bem o nome e o telefone que podem contatá-lo (forma gratuita, via WhatsApp – 591 73153004). Ali possui equipado consultório médico onde estão expostos os diplomas e os certificados para oferecer credibilidade e confiança aos pacientes. Também cuida dos pacientes oferecendo hospedagem, alimentação, medicação e serviço de enfermagem, com visitas a qualquer tempo e hora, local próprio, com estrutura excepcional. Portanto, não se trata de um mercantilista, e sim de um artesão, um artista plástico que se formou em medicina, na área de cirurgia estética. Ele uniu sua arte à ciência, daí decorre o sucesso que consegue junto aos pacientes, que chegam de todas as partes do mundo, para se submeterem nos procedimentos que realiza de modo seguro, grande habilidade e competência.
Dito isto, todas as pessoas, aqui do Acre, que desejam seguir a tendência da vida deste século – ter o corpo dos sonhos e prolongar a juventude – devem ter cuidado ao dirigir-se a Santa Cruz de la Sierra. Fujam das clínicas que prometem o Céu, são as clandestinas, de pessoas ambiciosas que desejam somente ganhar dólares. Não possuem o diploma exigido e nem a formação completa na área médica. Fujam de quem se aproveita do boom em estética que se tornou Santa Cruz para o mundo. Este texto é um alerta à população: não caiam em mãos gananciosas e inescrupulosas de falsas promessas e milagres. Preserve sua vida e zele pelo corpo que Deus lhe deu. Se desejar fazer algum procedimento, faça com segurança e confiabilidade, com profissional de excelente formação e história médica para contar, bons exemplos para dar. Esse profissional é o DR. RONALD ARCE ALATRISTA. Ingressem no Facebook do médico --- https://www.facebook.com/dr.ronald.a.alatrista?fref=ts --- e falem diretamente com ele, via in box. Isso porque os “coyotes” também ”pescam” às pessoas no Facebook do médico. Então, é preciso ter cuidado para não serem desviadas já no aeroporto. Ali estão eles, os ‘gaviões’ e os “coyotes”. O caminho seguro é: Clínica Sirani, Calle Rene Moreno, nº 667. É prudente acertar tudo antes com o médico, via Facebook ou WhatsApp. Essa clínica é imensa e tem mais de 25 anos de bons serviços. Ademais, ali a pessoa encontra o melhor cirurgião plástico de Santa Cruz de la Sierra e quiçá do mundo. A realização dos sonhos de beleza tem nome, endereço e segurança. Cuidar bem da vida é dever de todos. Cuidem-se, mas amem-se em primeiro lugar. Este artigo não é uma propaganda, antes um grito de alerta e recomendação às pessoas do Acre. Eu indico.

DICAS DE GRAMÁTICA
"Eu sei que vou te amar / Por toda minha vida / Eu vou te amar / Em cada despedida / Eu vou te amar / Desesperadamente / Eu sei que vou te amar / E cada verso meu será / Pra te dizer / Que eu sei que vou te amar / Por toda minha vida..." (Tom Jobim – Vinícius de Moraes)

Belíssimos versos. Perfeitos em melodia, em emoções. Jobim e Vinícius usaram as palavras para formar um conjunto harmônico com suavidade e sonoridade irrepreensíveis, mas com erros, segundo a gramática normativa.
O primeiro verso de Tom Jobim e Vinícius de Moraes, sem a licença poética, deveria ser assim escrito:

"Eu sei que te vou amar" ou "Eu sei que vou amar-te". (Embora a segunda forma ofereça uma cacofonia (vou a marte)
-------------------

Prof.ª Dr.ª Luísa Galvão Lessa Karlberg
Pós-Doutorado em Lexicologia e Lexicografia - Université de Montréal - Canadá
Doutorado em Letras Vernáculas - UFRJ
Mestrado em Letras - UFF
Coordenadora Pós-Graduação, Campus Floresta - UFAC
Presidente da Academia Acreana de Letras - AAL
Membro da Intertional Writers and Artist Association - IWA
Embaixadora Internacional da Poesia - CCA


A vida da gente é feita assim: um dia o elogio, no outro a crítica. A arte de analisar o trabalho de alguém é uma tarefa um pouco árdua porque mexe diretamente com o ego do receptor, seja ele leitor crítico ou não crítico. Por isso, espero que os visitantes deste blog LINGUAGEM E CULTURA tenham coerência para discordar ou não das observações que aqui sejam feitas, mas que não deixem de expressar, em hipótese alguma, seus pontos de vista, para que aproveitemos esse espaço, não como um ambiente de “alfinetadas” e “assopradas”, mas de simultâneas, inéditas e inesquecíveis trocas de experiências.