sexta-feira, 29 de agosto de 2014

PLANTAR UMA FLOR





Tomara eu que um dia,
Tu com pouca alegria,
Passe longe sem receber bom dia,
E em ti habite a melancolia.


Tomara eu que um dia,
A dor de ti se aposse,
Sem temor, medo ou piedade,
Por alguém que me fez tanta maldade.


Tomara eu que um dia,
A tristeza te convença
Que uma vida de malvadeza não compensa,
Que a maledicência não dá paz
Para uma dor que não se desfaz.


Tomara eu que um dia,
Por arte, magia ou por encanto,
Deus de ti sinta candura,
E te ensine uma vida pura,
E por um segundo conheças a ternura.


Tomara eu que um dia,
Consigas plantar uma flor,
Saber o sentido do amor,
Viver sem ferir, enganar, caluniar,
E neste dia recordar de mim no infinito azul do mar.
















A LEITURA PODE MUDAR A VIDA BRASILEIRA?

 

Eu sempre fico a me perguntar por que as pessoas não gostam de ler. Afinal, o que acontece com tanta gente que não atribui valor à leitura e prefere comprar uma camisa, um short, uma saia, um vestido, um sapato? Todos esses objetos são bens perecíveis, envelhecem e não deixam marcas na vida de ninguém. As leituras sim, elas nos conduzem a mundos diferentes, fazem-nos mergulhar no universo do outro, a desvendar segredos, encontrar tesouros, compreender melhor as pessoas, a nós mesmos, o mundo.

A leitura é uma ação tão importante que conduz às pessoas a solidificar as relações que põem o mundo em paz ou em guerra. Isso porque ao concluir uma leitura nunca mais seremos a pessoa de antes, porque a leitura trouxe informações, reflexões que antes não povoavam a nossa mente. E as informações nos fazem crescer!

Talvez por essa fabulosa atividade que é a leitura, ler é sempre recomeçar a vida, sob o prisma de um novo olhar, um novo pensar, um novo agir, um novo sentir. A escritora Clarice Lispector dizia que a leitura tem sentido inaugural. Ela tinha razão. No ato de ler há sempre um  descerrar de véus para o que antes parecia destituído de significados.

O erudito  francês  Michel de Certeau disse, certa vez, que o “O leitor é um caçador que percorre terras alheias”. É verdade, a leitura é uma ação desbravadora de mundos, seja ela de natureza técnica, ficcional ou científica. A nossa mente fica a trabalhar, a planejar viagens no mundo das palavras. Afinal, as palavras, elas traduzem tudo que existe entre o Céu e a Terra.

E tanto é verdadeira essa afirmação acima, que no momento atual, fazemos inúmeras leituras no mundo político. As pessoas aparecem na TV com um discurso que traduz verdades e mentiras. Há políticos de toda natureza: verdadeiros, corretos, íntegros; outros cínicos, mentirosos, enganadores, usurpadores dos sonhos da nação. E somente uma boa leitura será capaz de separar o joio do trigo. É preciso filtrar os discursos e deles separar os verdadeiros dos falsos.

Há candidatos que só querem ganhar dinheiro. Outros ingressam na política para fazer negócios. Muitos, grande maioria, para enganar, ludibriar o eleitor, o brasileiro simples, humilde, que não sabe o perigo que se esconde nas palavras ditas em forma de promessas e juras eternas de amor ao país, ao Estado, ao povo.

E eu sinto muito medo do tempo de hoje, quando tanta gente deseja se dar bem na política. Fazem um discurso ao gosto do povo, dizem aquilo que o povo quer ouvir, falam palavras de um mundo que desejamos ter, viver. Mas há uma dicotomia entre ler essas palavras e ler as verdades da vida dessa gente que tem o intuito de enganar o eleitor. E qual é essa dicotomia entre ler as palavras e ler o mundo? Minha impressão é que a política está aumentando a distância entre as palavras que lemos e o mundo em que vivemos. Os discurso são enganadores. As palavras são as armas apontadas para nós, podem ser tiros certeiros ou pontes salvadoras.

Então, em face de tal cenário, vamos ficar de olhos abertos, ouvidos atentos, mente em alerta para que não sejamos enganados, traídos pelas palavras pronunciadas como planos, projetos, promessas falsas. Tudo isso pode ser reza para um só santo: a conta bancária. O pobre irá continuar a depender do governo, da bolsa família, da bolsa escola, da bolsa verde, bolsa Brasil, bolsa floresta, bolsa gás e tudo que é bolsa furada que leva o país ao caos, ao mundo da esmola. Nós necessitamos de trabalho e vida digna.

Leonardo Boff (1998) costuma dizer que uma visão de mundo é uma visão de um ponto de vista. Importante que cada pessoa tenho o seu ponto, seu olhar, sua leitura de mundo. E, neste momento político, o mundo pode ser: uma fábula; uma perversidade; uma realidade. Então, não permitamos a ilusão, a fábula, a perversidade. Vamos caminhar para melhorar a nossa realidade. O Brasil tem jeito. Faça, cada pessoa, uma leitura correta. O nosso futuro reside aí. É isso que a leitura pode fazer por cada um de nós e pelo país.

DICAS DE GRAMÁTICA

Uso de “A CERCA DE”, “HÁ CERCA DE” ou “ACERCA DE”. Vejamos:

1) A CERCA DE indica distância, como na frase: “Vivo a cerca de 20 quilômetros da cidade”;

2) HÁ CERCA DE indica tempo aproximado, como no exemplo: “ Eu te conheço há cerca de 30 anos”;

3) ACERCA DE é o mesmo que A RESPEITO DE. Um exemplo? “No texto falamos acerca de seu voto nesta eleição”.

4) Ainda temos o uso de CERCA, como cercado. Exemplo: A cerca do vizinho é de arame”.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

MÁSCARA DA POLÍTICA EDUCACIONAL NO BRASIL

 

 

Falam especialistas que o Brasil avançou nos últimos 20 anos, mas a educação freou o desenvolvimento desse período, segundo o IDHM 2013 (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal), divulgado na segunda-feira, 29/07/2014.

No Brasil, entra Governo e sai Governo e a conversa é sempre a mesma: “vamos investir em educação”. Em ano eleitoral, dizem os políticos: “o país avançou muito”. Talvez tenha avançado para o abismo, pois segundo índice divulgado pela Pearson Internacional, que faz parte do The Learning Curve (Curva do Aprendizado, em inglês) e mede os resultados de três testes internacionais aplicados em alunos do 5º e do 9º ano do ensino fundamental, o Brasil ficou em penúltimo lugar. Dão lições ao mundo a Finlândia e a Coreia do Sul, os dois primeiros lugares. O Brasil só ganhou da Indonésia. É um resultado vergonhoso.

Os dados não são invenção e não possuem coloração partidária. É a constatação de uma educadora que muito trabalha em prol de mudanças positivas. Uma educadora que contribuiu para composição dos livros didáticos do Estado de São Paulo. O Acre não quer ajuda nessa área, há, aqui, “medalhões nos salários”, mas que nada escrevem, falam bajulações. Isso não ajuda, prejudica o Estado, o sistema educacional como um todo.

Então, votando aos dados, eles saíram do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês), do documento Tendências em Estudo Internacional de Matemática e Ciência (TIMSS) e do Progresso no Estudo Internacional de Alfabetização (PIRLS) que compreendem o aprendizado de matemática, leitura e ciência dos alunos.

Veja-se o Ranking Global de Habilidades Cognitivas e Realizações Educacionais:

 

1.Finlândia
2. Coreia do Sul
3. Hong Kong
4. Japão
5. Cingapura
6. Grã-Bretanha
7. Holanda
8.Nova Zelândia
9. Suíça
10. Canadá

11. Irlanda
12.Dinamarca
13. Austrália
14. Polônia
15. Alemanha
16. Bélgica
17. Estados Unidos
18. Hungria
19.Eslováquia
20. Rússia

21. Suécia
22.  República Tcheca
23. Áustria
24. Itália
25. França
26. Noruega
27. Portugal
28. Espanha
29. Israel
30. Bulgária

31. Grécia
32.Romênia
33. Chile
34.Turquia
35.Argentina
36.Colômbia
37. Tailândia
38. México
39.BRASIL
40.Indonésia

Fonte:Pearson/EIU

O desempenho de cada país mostra se ele está acima ou abaixo da média calculada a partir dos dados de todos os participantes. Segundo esses dados divulgados no último dia 27 de julho de 2014, 27 dos 40 países ficaram acima da média, enquanto 13 estão abaixo do valor mediano. O Brasil, que teve pontuação de -1.65, foi incluído no grupo 5, onde estão as sete nações com a maior variação negativa em relação à média global. É um dado assustador, fruto do descaso e do pouco compromisso com a educação brasileira.

A ONU, em 14/07/2014, por meio do Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), diz que o Brasil deve investir em "políticas educacionais ambiciosas", para mudar a sua demografia.Todos os dados apontam que o Brasil vai mal, muito mal nas políticas educacionais.

E como é um sistema educacional eficaz? É aquele em que os alunos aprendem, passam de ano e concluem a educação básica. Esta é uma afirmação de que poucos vão discordar. Entretanto, a maioria dos sistemas educacionais no Brasil não cumpre essa missão. Há descaso, desvio de recursos, investimentos pífios, salários aviltantes pagos aos professores, escolas sem segurança, mal aparelhadas, sem infraestrutura, que pouco ou nada atraem os jovens, que preferem as ruas, as drogas, a violência, os furtos. Quando não, ficam em casa e quando saem para a escola procuram ir para lugares mais agradáveis.

O governo brasileiro, por meio do INEP, definiu metas para os sistemas educacionais e as escolas aperfeiçoarem a qualidade da educação oferecida, criando um índice de qualidade, chamado IDEB, para cada um dos três segmentos da educação básica. Mas de tudo que se diz, fica a pergunta: essas metas no INEP são suficientes para o país sair do atraso educacional?

Há medidas urgentes: escolas em tempo integral; professores motivados; escolas aparelhadas para que as pessoas nelas desejem permanecer com alegria, satisfação. Então, qualquer política de melhoria da qualidade dos sistemas escolares devem contemplar os três aspectos simultaneamente: o professor deve ensinar; o aluno deve aprender e passar de ano.

Finaliza-se com a frase memorável de Eduardo Campos: “ O Brasil tem jeito”. Devemos exigir prioridade à Educação, sem ela NUNCA avançamos, exceto para cair no abismo.

DICAS DE GRAMÁTICA

Algumas palavras trazem dificuldades ao brasileiro não acostumado à leitura e à produção de textos. Muitos são os indivíduos que usam menas em vez de menos, que é o certo. Para evitar essas gafes, o interessado em falar adequadamente tem de tomar muito cuidado e ler, ler, ler, ler bastante. Veja algumas palavras que apresentam dificuldades:

errado

certo

menas

menos

cincoenta

cinquenta

uma dó

um dó

barzinhos

barezinhos

ele possue

ele possui

beneficiente

beneficente

beneficiência

beneficência

reinvindicar

reivindicar

reicindir

reincidir

sábado, 9 de agosto de 2014

COISA MAIS BONITA

 

08dp4K0tF[1]

 

Coisa mais bonita

Deste mundo

Que beleza ...

Estou me apaixonando

Por você com certeza.

Coisa mais gostosa

Nunca encontrei na vida,

Beijo tão doce ou coisa parecida,

Com tamanha ternura e encanto,

Igual o céu estrelado no seu manto.

Coisa mais bonita...

Foi te encontrar,

Poder te namorar,

E contigo caminhar no dia 1º de agosto,

Contar e ouvir conversa com gosto.

Coisa mais bonita,

É poder te namorar,

Contigo encontrar,

Falar de Foucault,

Sem esquecer Lescaut.

Coisa mais bonita

Foi sair contigo na noite,

Sem fazer pernoite,

Mas sentir o afago da mão,

Que faz vibrar as cordas do coração.

Coisa mais bonita

Foi sentir carinho e afeição,

Sem subtrair a interjeição,

E os dois abraçados em 2 de agosto,

Deixar o pranto molhar o rosto.

Coisa mais bonita

É pensar que amanhã eu te vejo,

E posso receber mais um beijo,

Falar de Lacan e vida de monge,

Mas nunca viver de ti longe.

A vida da gente é feita assim: um dia o elogio, no outro a crítica. A arte de analisar o trabalho de alguém é uma tarefa um pouco árdua porque mexe diretamente com o ego do receptor, seja ele leitor crítico ou não crítico. Por isso, espero que os visitantes deste blog LINGUAGEM E CULTURA tenham coerência para discordar ou não das observações que aqui sejam feitas, mas que não deixem de expressar, em hipótese alguma, seus pontos de vista, para que aproveitemos esse espaço, não como um ambiente de “alfinetadas” e “assopradas”, mas de simultâneas, inéditas e inesquecíveis trocas de experiências.