domingo, 22 de abril de 2012

O TEMPO É UM MESTRE IMPIEDOSO

 

Muita gente vive pensando no tempo de ontem, outros no de hoje, alguns no amanhã, no tempo... Mas, afinal, o que vem a ser o tempo, como definir sua grandeza e dizer o que se faz com ele? A resposta não é simples. Exige reflexão, análise, coisa que ninguém gosta de fazer, por absoluta falta de tempo. Esse tempo que é uma medida relativa da sucessão das coisas transitórias. Esse tempo consumido quase que inteiramente na luta pela vida, na batalha diária que se estende durante anos, décadas.

A verdade é que durante o desenrolar da peleja cotidiana, dessa insana luta, algumas pessoas conseguem reservar umas poucas horas semanais para o lazer e o descanso. Todavia, não se organizam para meditar sobre as questões cruciais da vida. Para essas coisas não se dispõe de tempo, não se pode, absolutamente, perder tempo com isso. Enquanto para uns o tempo é demorado, ligeiro ele se faz para outros. Mas será isso verdade? Não será o tempo igual para todos?! Dizem, até, ser o tempo a coisa mais democrática que existe. Se assim é, ele é o mesmo para todas as pessoas.

No que diz respeito à velocidade, o tempo explica-se pela vivência. É a vivência do ser humano que muda a partir de certa idade, e não o tempo. O tempo não muda. Os movimentos dos ponteiros do relógio apenas registram numericamente a passagem humana dentro do tempo. O tempo não passa, as pessoas é que passam dentro dele. O tempo não é um acidente. Ele acompanha a pessoa humana desvendando o modo de cada um acompanhar a vida.

Para passar bem o tempo, esse mestre impiedoso, cada pessoa deve olhar a sua volta, ver os sinais do tempo que passou. Depois, perceber que é preciso compreender o tempo de cada coisa, para dar respostas ao que a vida pede e espera de cada criatura humana. E na distribuição do tempo de existência, há tempo para cada coisa, etapa, momento, sonho. Tempo para a luta, o trabalho o esforço. Tempo de enfrentar desafios e superar limites. Tempo de ser humilde e reconhecer-se limitado. Tempo de buscar a sabedoria do repouso, de pacificar os impulsos, ordenar os desejos, sem perder de vista os sonhos mais impossíveis...

Ainda, há nesta vida o tempo da novidade e da surpresa, do surpreendente e do inusitado, quando o espetáculo da vida é todo brilho, festa e luz. Há o tempo do cotidiano e da rotina, do encantamento dos pequenos gestos, das alegrias suaves e duradouras. O tempo de cada pessoa ficar consigo mesma. Tempo da necessária bem-vinda e frutuosa solidão. Tempo dos silêncios que falam. Tempo de recolhimento reflexivo ao mais profundo de cada ser. Tempo do encontro, da partilha emocionada de gestos e palavras, do abraço afetuoso, da expressão do desejo, da paixão, da amizade essencial.

Assim, o tempo não pára, pois em todo o tempo que existe há aquele de grandes avanços e conquistas. Tempo de realizações de projetos e sonhos. Tempo em que tudo que se toca é ouro e alegria, tempo dos grandes e pequenos fracassos. Tempo de recuos estratégicos e outros, inevitáveis. Tempo de despedida, perdas, danos e ganhos. Tempo de voltar à estaca zero e começar tudo de novo. O tempo de envelhecer, perder células cerebrais, força muscular, a capacidade de enxergar de perto, de perceber os sons mais agudos e os cheiros mais sutis. Aquele tempo inexorável, mestre impiedoso, que põe cinzas nos cabelos e deixa a mesa cheia de ausências. O tempo que passa carregando consigo o novo e deixando para trás o tudo que envelheceu.

Seguindo adiante, há muitos outros tempos, como aquele em que a vida fecha portas na cara. O tempo em que, por teimosia e coragem, a pessoa ousa escancarar janelas com vistas para montanhas e mares, horizontes e vales. O tempo em que a esperança é apenas um jeito de sentir saudade daquilo que virá, do que se vai construir. E, desse modo, em todo e qualquer tempo, é possível descobrir que, apesar de pequeno e frágil, os seres humanos são raros e preciosos. É preciso valorar o tempo para maior sabor da vida e viver o tempo do amar, do querer, do receber, porque tudo na vida quer tempo e medida. — Mensura omnium rerum optima.

DICAS DE GRAMÁTICA

SÓ/SÓS/A SÓS

A palavra , quando equivale a somente, não varia. Quando equivale a sozinho(s), sozinha(s), varia. A expressão a sós (= sem mais ninguém) é invariável.

Exemplos:

esse rapaz não trabalhou. (somente)

esses rapazes não trabalharam. (somente)

Ele ficou só (sozinho) naquela casa imensa. (sem mais ninguém)

Elas ficaram sós (=sozinhas) naquela casa imensa. (sem mais ninguém)

Ela queria ficar a sós. (sem mais ninguém)

Eles queriam ficar a sós. (sem mais ninguém)

TIQUE-TAQUE / TIQUE-TAQUES / RECO-RECO / RECO-RECOS/ BEM-TE-VI / BEM-TE-VIS

Os substantivos compostos onomatopaicos, ou seja, aqueles formados por termos que em sua pronúncia lembram o som da coisa significada, têm apenas seu segundo elemento pluralizado.

Exemplo:

Na loja se escutavam os tique-taques dos relógios.

Um bem-te-vi; Dois bem-te-vis.

Um reco-reco; Dois reco-recos.

A EUROPA NO SUL DO BRASIL

 

Viajando pelo Sul do Brasil a gente tem a sensação de visitar algum país europeu. Essa impressão nos chega não somente pela beleza da vegetação, da geografia, senão também pelos costumes tão enraizados nas pessoas do lugar. E nesse “clima” há para considerar os hábitos alimentares tão diversos dos da gente do Norte do país.

Lendo a História da Alimentação no Brasil, de Câmara Cascudo, ele afiança que “todos os pratos nacionais são resultantes de experiências construídas lentamente, fundamentadas na observação e no paladar. Maneiras de preparar a comida, receitas, utensílios empregados, tudo se mesclou e se adaptou às possibilidades do meio”.

Sabe-se existir, no Brasil agrícola do Norte, fortes influências ameríndias, bem como africanas, que se transformaram, ajustaram-se ao tempero e ao sabor português. As exigências dos utensílios da cozinha europeia moldaram-se ao fogão de lenha, ao forno de barro. Por isso mesmo inúmeros pratos conservam, ainda, nome indígena ou africano, embora quase nada exista de autêntico na substância real.

No Brasil da parte Sul há, também, a herança indígena na culinária, com a utilização da mandioca e de seus produtos: farinha, tapioca, beju, pirão, mingau; uso do milho assado, cozido e seus derivados: canjica, pamonha, pipoca, farinha. Aproveitamento, de plantas nativas: abóbora, amendoim, cará, batata-doce, banana, abacaxi. Cozimento dos alimentos na tucuruva (trempe de pedras), no moquém (grelha de varas) para assar carne ou peixe. Preparo do peixe assado envolvido em folhas; moqueca e também paçoca de peixe ou de carne (feita no pilão). Uso de bebidas estimulantes: mate e guaraná.

A culinária luso-brasileira, no Sul do Brasil, pode ser assim distribuída:

Litoral (com influência açoriana) – peixe assado, grelhados, fervido, desfiado, moqueca de peixe, siri na casca, marisco ensopado, arroz com camarão, camarão com pirão. Pirão de água fria, pirão cozido, farofa, cuscuz torrado, beju, angu de milho, mingau de milho verde, paçoca de carne desfiada, lingüiça frita, feijão mexido, fervido de legumes, canja, galinhada, fervido de suquete (osso buco), mocotó, bolo de aipim, pães caseiros, “massas doces” (pão doce sovado) “farte” (pão com recheio de melado), melado com farinha de mandioca, roscas de polvilho, roscas de trigo (fritas), rosquetes, “negro deitado” (bolo de panela), bolo frito, sonhos, omelete de bananas, banana frita, pão-de-ló, sequilhos, rapaduras (com diferentes misturas), pé-de-moleque, “puxa-puxa”, balas diversas, pastéis doces e salgados, doce de panela (de frutas), doce de leite, ambrosia, fatias douradas, bolos, pudins, empadas. Bebidas – Concentradas (vinho com água e açúcar), Queimadinha (queimar cachaça com açúcar), licores diversos (de vinho, de ovos, de butiá, de abacaxi etc), café, mate-doce.

Área central (influência açoriana e outras) – Canja de galinha, sopas diversas, feijoada, feijão branco, fervido (com legumes e carne), feijão mexido, quibebe, paçoca de favas, arroz de forno, carne de panela, carne assada no forno, bife enrolado, bife à milanesa, guisado de carne, bolo de arroz, pão recheado, empadas, pasteis, “rosinhas” de massa, ovos mexidos, ovos escaldados, “roupa velha” (sobras), peixe recheado, peixe escabeche, peixe frito, bacalhoada, bolinho de bacalhau. Conservas de pepino e cebola. Galinha assada, galinha recheada, arroz com galinha. Pães de forno, pão de panela, “mãe-benta”, biscoitos, “calça-virada”, coscorões, fatias-do-céu, merengues, broas, pudim de laranja, ambrosia de laranja, “manjar celeste”, pudim de pão, “ovos moles”, “fios-de-ovo”, arroz-de-leite, “bom-bocado”, mandolate, balas de leite, de mel, tortas (doces), pé-de-moleque, “farinha de cachorro” (farinha de mandioca com açúcar). Bebidas: gemada com vinho, licor de vinho, licores com furtas, vinho de laranja.

Área da Campanha – Carnes (vacum, ovino) grelhadas, carne no espeto, carne no forno. Arroz carreteiro, espinhaço de ovelha ensopado, pastéis, empadão, feijão, “cabo-de-relho” (sobras). Pães caseiros (ao forno), pão “catreiro” ou “de pedra” (aquecidos sobre pedra ou chapa quente), roscas de milho, “farinha de cachorro”, ambrosia de pão, doces de “panela” (marmelada, doces em calda). Bebidas: chimarrão.

Região Serrana – Carne assada, carne frita, mocotó, feijoada (de feijão preto e branco), charque com mandioca, paçoca de pinhão com carne assada, couve refogada, couve com farinha, galinha assada, arroz com galinha e quirela de milho, batata-doce, moranga, milho cozido, cuscuz, farinha de biju com leite. Doce de gila, “jaraquatia”, sagu com vinho, arigones, arroz doce, doce de frutas (pêssego, figo, pêra), ambrosia, doce de leite, “chico balanceado” (doce de aipim), doce de batata doce. Bebidas: “Camargo” (café com apojo), quentão de vinho, café com graspa.

Região Missioneira - Carnes (vacum, ovino) assada no forno, carne no espeto, grelhada, frita na panela, sopa de lentilhas, sopa de cevadinha, feijoada, “puchero”, “gringa” (moranga) caramelada, pirão de farinha de milho, canja, couve com farofa, matambre com leite, fervido de espinhaço de ovelha com aipim. Canjica, guisado de milho, pastéis, empadão, revirado de galinha, revirado de sobras, lingüiça frita, paçoca de charque, galinha assada. Pão de forno, pão de borralho, bolo frito, biscoitos, pão-de-ló, geléia de mocotó, doce de jaraquatia, pêssego com arroz, arigones, tachadas (marmelo, pêssego, pêra), doce de laranja azeda cristalizada, doce de leite, rapadura de leite, gemada com leite, bolos. Bebidas: chimarrão, mate doce, mate com leite.

Colônia alemã – Carne de porco (assada e frita), wurst (lingüiça), chucrut (conserva de repolho), nudeln (massa), kles (bolinhos de farinha de trigo com batata cozida), conserva de rabanete, galinha assada, sopa com legumes e ovos, kas-schimier (ricota), kuchen (cuca), leb-kuchen (cuca de mel), mehldoss (doces de farinha de trigo), schimier (pasta de frutas), syrup (frutos cozidos com melado), weihmachts (bolachinhas), bolinhos de batata ralada, pão de milho, de centeio, de trigo, tortas doces. Café colonial (salgadinhos, salames, queijos, bolos). Bebidas: bier - cerveja, chop. Spritzbier (gengibirra). Assimilaram o chimarrão.

Colônia Italiana – Brodo (caldo de carne), carne Lessa (carne cozida n’água), capeleti (massa com recheio de carne picada) o mesmo que Agnolini, menestra ou aminestra (sopa, canja), galeto a menarôsto (frango no espeto), ravióli (massa com recheio), tortei (pastel cozido recheado com moranga ou abóbora), macarôn (massa), spagueti (massa cortada), fidelini (massa fina), polenta (angu de farinha de milho), risoto (arroz com galinha e queijo ralado), pizza (massa de pão com molho e queijo), peracruz (bolo fervido em calda de frutas), pães de trigo e milho, panetone (pão com frutas cristalizadas), salames, queijos. Bebidas: vinho, graspa.

Observa-se, por meio dos costumes alimentares do Brasil, que as pessoas valorizam os produtos do solo americano. Aproveitam-se das especiarias da Índia, como cravo, canela, noz-moscada. Criaram-se novos pratos, adaptaram-se outros e conservam-se algumas receitas tradicionais: bacalhoada, caldo verde, acorda, pastéis, empadas, feijoada, cozido, fatias douradas, coscorões, pão-de-ló, papo-de-anjo, sonhos, pães, compotas, marmeladas, frutas cristalizadas, licores. Todas essas especiarias, grande parte delas européias, estão num processo contínuo de aculturação na cozinha brasileira que ainda não terminou, pois está sendo enriquecido, cada vez mais, por inúmeras correntes migratórias. Esse é um Brasil com fortes traços europeus.

 

DICAS DE GRAMÁTICA

Dia primeiro ou dia um?

- Dia primeiro, ora! Não existe dia um, só dia primeiro. Quer ver uma coisa? Experimenta pregar "um de abril" em alguém, não terá graça...

E o número 7, posso escrevê-lo no cheque com um corte?

- Olhe, façamos o seguinte: volte para a máquina de escrever e bata ou datilografe o sete. Ele tem corte?! - Não tem, então não invente...

Pode um motorista dormir no volante?

- Bom, poder ele pode, mas a gramática condena esse hábito. Dormir ao volante já é perigoso, imagine dormir no volante. É uma tragédia certa, volante não é cama...

Na piscina, ficamos todos no sol?

- Bom, eu não! Depois eu já soube do homem na lua, mas no sol?! Então, o provável é assim: na piscina, ficamos todos ao sol.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

AMOR AO PRÍNCIPE

 

O Pequeno Príncipe - Antoine de Saint-Exupéry (1943)

O Pequeno Príncipe foi escrito e ilustrado por Antoine de Saint-Exupéry um ano antes de sua morte, em 1944. Piloto de avião durante a Segunda Grande Guerra, o autor se fez o narrador da história, que começa com uma aventura vivida no deserto depois de uma pane no meio do Saara. Certa manhã, é acordado pelo Pequeno Príncipe, que lhe pede: "Desenha-me um carneiro"? É aí que começa o relato das fantasias de uma criança como as outras, que questiona as coisas mais simples da vida com pureza e ingenuidade. O principezinho havia deixado seu pequeno planeta, onde vivia apenas com uma rosa vaidosa e orgulhosa. Em suas andanças pela Galáxia, conheceu uma série de personagens inusitados – talvez não tão inusitados para as crianças!

Um rei pensava que todos eram seus súditos, apesar de não haver ninguém por perto. Um homem de negócios se dizia muito sério e ocupado, mas não tinha tempo para sonhar. Um bêbado bebia para esquecer a vergonha que sentia por beber. Um geógrafo se dizia sábio mas não sabia nada da geografia do seu próprio país. Assim, cada personagem mostra o quanto as “pessoas grandes” se preocupam com coisas inúteis e não dão valor ao que merece. Isso tudo pode ser traduzido por uma frase da raposa, personagem que ensina ao menino de cabelos dourados o segredo do amor: “Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos”.

Antoine de Saint-Exupéry via os adultos como pessoas incapazes de entender o sentido da vida, pois haviam deixado de ser a criança que um dia foram. Entendia que é difícil para os adultos (os quais considerava seres estranhos) compreender toda a sabedoria de uma criança.

Desta fábula foram feitos filmes, desenhos animados, além de adaptações. Muitos adultos até hoje se emocionam ao lembrar do livro. Talvez porque tenham se tornado “gente grande” sem esquecer de que um dia foram crianças.


"As pessoas têm estrelas que não são as mesmas. Para uns, que viajam, as estrelas são guias. Para outros, elas não passam de pequenas luzes. Para outros, os sábios, são problemas. Para o meu negociante, eram ouro. Mas todas essas estrelas se calam. Tu porém, terás estrelas como ninguém... Quero dizer: quando olhares o céu de noite, (porque habitarei uma delas e estarei rindo), então será como se todas as estrelas te rissem! E tu terás estrelas que sabem sorrir! Assim, tu te sentirás contente por me teres conhecido. Tu serás sempre meu amigo (basta olhar para o céu e estarei lá). Terás vontade de rir comigo. E abrirá, às vezes, a janela à toa, por gosto... e teus amigos ficarão espantados de ouvir-te rir olhando o céu. Sim, as estrelas, elas sempre me fazem rir!"

"O Amor é a única coisa que cresce à medida que se reparte".

"O amor não consiste em olhar um para o outro, mas sim em olhar juntos para a mesma direção."

"Foi o tempo que dedicaste à tua rosa que fez tua rosa tão importante."

" Não exijas de ninguém senão aquilo que realmente pode dar."

"Em um mundo que se fez deserto, temos sede de encontrar companheiros."

" Nunca estamos contentes onde estamos."


" Será como a flor. Se tu amas uma flor que se acha numa estrela, é doce, de noite, olhar o céu. Todas as estrelas estão floridas."

"Para enxergar claro, bastar mudar a direção do olhar."

" Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos."


" Sois belas, mas vazias. Não se pode morrer por vós. Minha rosa, sem dúvida um transeunte qualquer pensaria que se parece convosco. Ela sozinha é porém mais importante que vós todas, pois foi a ela que eu reguei. Foi a ela que pus a redoma. Foi a ela que abriguei com o para-vento. Foi dela que eu matei as larvas. Foi a ela que eu escutei queixar-se ou gabar-se, ou mesmo calar-se algumas vezes. É a minha rosa."


" Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas"


" Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós."


" O amor verdadeiro não se consome, quanto mais dás, mais te ficas."


" Só os caminhos invisíveis do amor libertam os homens.

" O verdadeiro amor nunca se desgasta. Quanto mais se dá mais se tem."

"Se alguém ama uma flor da qual só existe um exemplar em milhões de estrelas, isso basta para que seja feliz quando a contempla."

"Se tu amas uma flor que se acha numa estrela, é doce, de noite, olhar o céu. Todas as estrelas estão floridas." (Antoine de Saint-Exupéry)

"ACASO
"Cada um que passa em nossa vida,
passa sozinho, pois cada pessoa é única
e nenhuma substitui outra.
Cada um que passa em nossa vida,
passa sozinho, mas não vai só
nem nos deixa sós.
Leva um pouco de nós mesmos,
deixa um pouco de si mesmo.
Há os que levam muito,
mas há os que não levam nada.
Essa é a maior responsabilidade de nossa vida,
e a prova de que duas almas
não se encontram ao acaso. "

(Antoine de Saint-Exupéry)

"A civilização é um bem invisível porque inscreve seu nome nas coisas",

E suas últimas palavras antes de embarcar na missão final e fatal: "Se voltar, o que será preciso dizer aos homens?"

Ele escreveria que "durante séculos e séculos a minha civilização contemplou Deus através dos homens. O homem era criado à imagem de Deus. Respeitava-se Deus no homem. Esse reflexo de Deus conferia uma dignidade inalienável ao homem", para concluir que "as relações do homem com Deus serviam de fundamento evidente aos deveres do de cada homem consigo próprio ou para com os outros".

"Havia, em algum lugar, um parque cheio de pinheiros e tílias, e uma velha casa que eu amava. Pouco importava que ela estivesse distante ou próxima, que não pudesse cercar de calor o meu corpo, nem me abrigar; reduzida apenas a um sonho, bastava que ela existisse para que a minha noite fosse cheia de sua presença. Eu não era mais um corpo de homem perdido no areal. Eu me orientava. Era o menino daquela casa, cheio da lembrança de seus perfumes, cheio da fragrância dos seus vestíbulos, cheio das vozes que a haviam animado."

(Antoine de Saint-Exupéry)

quarta-feira, 11 de abril de 2012

MILAGRE DA CIRURGIA PLÁSTICA

CirurgiasPlsticasAnteseDepois3 1 Cirurgias Plásticas Antes e Depois

Imagem colhida na Internet pelo Gloogle em 11/04/2012, ás 12h14min ,no site http://www.coisasdemenina.com/cirurgias-plasticas-antes-e-depois.html

O sonho de todo homem, de toda mulher é ter ou alcançar o padrão desejado de beleza. No mundo há variados e múltiplos padrões de beleza, a depender da cultura, costumes de cada lugar. Em muitos países a magreza é considerada qualidade de beleza. N’outras culturas ter umas gordurinhas faz parte do encanto e do charme. Afora isso tudo, o fato é que homens e mulheres nunca se contentam com suas formas anatômicas. Uns julgam que poderiam ter um nariz mais afilado, uns olhos mais graúdos, face sem rugas, lisinha, sem manchas, sem cicatrizes, orelhas bonitas, lábios carnudos, cintura fina, quadril arredondado ou arrebitado, abdômen desenhado, nada de barriga saliente, enfim, uma aparência considerada mais bela e atraente segundo os padrões de beleza do país. Ademais, o sonho da eterna juventude é algo que o ser humano deseja alcançar. É claro que o tempo deixa suas marcas, mas a ciência produz verdadeiros milagres!

Antigamente as pessoas envelheciam sem poder fazer nenhuma modificação no corpo ou rosto. Hoje a história mudou completamente. Cada pessoa pode mudar, transformar, segundo seu desejo, qualquer parte do rosto ou do corpo, atendendo os desejos mais secretos. Pode ter um nariz bem desenhado, olhos sem pálpebras caídas ou rugas, face lisa, sem as marcas do tempo, um corpo escultural, um bumbum arrebitado, braços finos, corpo delgado sem barriga, enfim, optar por um modelo estético de beleza. Isso vale para homens e mulheres que estão, a cada dia, desejando atingir alto padrão de beleza. A vaidade é algo natural, faz bem, proporciona autoestima, deixa a pessoa mais feliz.

E como fazer tais modificações? Por meio da cirurgia plástica, com técnicas modernas e preços acessíveis. À medida que a medicina avança os preços caem. Uma cirurgia que antes custava preço elevado hoje caiu para um patamar popular. É claro que não falo do Brasil, aqui tudo é caríssimo. Uma lipoescultura [opção para modelar e corrigir o corpo, cujo pioneirismo é do francês Yves-Gérard Illouz] custa os olhos da cara. Somente gente rica pode fazê-la. Cirurgia facial?! Nem pensar, o preço é de arrancar os olhos do freguês. E aí, como proceder para realizar sonhos e desejos em ter um rosto, um corpo mais bonito? Ir para o país vizinho, a Bolívia. Aqui, pertinho, na cidade de Santa Cruz de La Sierra há um cirurgião, que estagiou na USP, São Paulo, assim como toda a sua equipe, que faz cirurgias reparadoras, corretivas e estéticas por preços inacreditáveis. Por R$ 3.000,00 a pessoa faz um lifting facial completo, que inclui face e pescoço, corrigindo toda a flacidez da pele. É o procedimento que apresenta excelentes resultados com uma jovialidade esplendorosa. Já vi pessoas que ficaram belíssimas de corpo e de cara, sem traumas, recuperação segura, tranquila, rápida, eficiente, pois até as cicatrizes desaparecem em menos de 60 dias. É um tratamento barato, seguro, eficiente, que rejuvenesce 10,15,20 anos. Espetacular!

Para aqueles que têm interesse em melhorar seu perfil estético, ficar com um rosto e um corpo, assim como mamas mais bonitas, basta tomar um avião em Cobija [aeronaves novas, seguras, confortáveis, voar 1h20min ao preço de R$170,00 ida + 170 reais volta, contactar o DR. RONALD ACE ALETRISTA [mãos de ouro, inscrição médica S.P.S.A- 1356] ou sua assistente, INEZ LORINE [uma brasileira] e realizar seu sonho, bem ao alcance da mão e de seu bolso, o mais importante. O paciente tem toda assistência, desde a chegada até a saída, em excelente clínica, com todos os cuidados médicos necessários no pós-operatório, com os preços inclusos nas cirurgias.

Nos meses de abril, maio e junho os preços das cirurgias estão 15% mais baratas. É um ganho suficiente para pagar passagem, hotel, alimentação. A clínica é de excelente padrão, tudo novo, moderno. Ademais, o zelo da equipe médica é de causar inveja a muitos centros brasileiros. Cada paciente é tratado com carinho e todos os cuidados. Há uma equipe para apanhar o paciente no aeroporto, levá-lo para os hotéis conveniados [com desconto], para casas de câmbios, levá-lo aos laboratórios para os exames médicos necessários, tudo isso incluso no preço da cirurgia. O carinho dessa equipe é algo que impressiona, assim como o alto padrão dos procedimentos cirúrgicos, com técnicas modernas, que não deixam hematomas. São procedimentos inovadores, seguros, com o acompanhamento de toda uma equipe especializada pela USP, no Brasil, médicos credenciados, experientes, estudiosos, considerando que estão atualizados com as tecnologias modernas, pois participam de Congressos pelo mundo afora. Por isso recebem pacientes de todas as partes do planeta, considerando o alto padrão das cirurgias estéticas e dos bons preços.

Agora a pessoa fica a se perguntar: como faço para chegar a Santa Cruz de La Sierra? Vá até Cobija, apanhe um voo da Aerosur [segunda, quarta, sexta – voo direto], entrar, antes, em contato com Inez Lorine [assistente brasileira], telefone: 0021591-7316-2414. E-mail: inezbc@hotmail.com. No Acre, ligar: (68) 9994-4700. Boa viagem e volte com o corpo e o rosto dos seus sonhos!

DICAS DE GRAMÁTICA

A MAIORIA DAS PESSOAS FALTOU À FESTA OU A MAIORIA DAS PESSOAS FALTARAM À FESTA?

- As duas frases são consideradas corretas, mas a primeira é a mais recomendável: "A maioria das pessoas faltou à festa". Neste caso, o verbo concorda com o núcleo do sujeito (maioria), que está no singular.

terça-feira, 10 de abril de 2012

PROCURO ALGUÉM …

Alguém com um sorriso de criança, uma alma de adulto, a coragem de um jovem, um olhar firme, sincero, doce, terno.

Alguém que inebrie meus desejos e povoe os meus pensamentos, apenas com um abraço.

Alguém que jamais brigue comigo sem motivo, mas que dialogue quando eu estiver errada.

Alguém que escute, ao meu lado, a melodia que adoro, mas não faça isso apenas para agradar.

Alguém que se divirta com minhas bobagens e nunca me deixe com cara de farmácia na frente de amigos.

Alguém incapaz de fazer maldades, mas extremamente capaz de enfrentar o mundo por minha causa.

Alguém que me ache bonita, interessante, mesmo com a velha roupa de casa, a cara limpa, sem batom. E que, ainda assim, encontre encanto na mulher-parceira, companheira.

Alguém que saiba oferecer poemas de amor, músicas românticas, flores, e que valorize esse gesto como incontestável prova de carinho.

Alguém que goste da natureza, da lua, do céu estrelado, livros, picolé, cinema, shopping, viajar de carro, andar pelo mundo.

Alguém que goste de viver em casa, assistir telejornal, sair para um jantar a dois, beber uma taça de vinho, olhar a correnteza do rio, o verdor das matas, a luz da lua e o brilho as estrelas.

Alguém que seja amigo, amante e confidente. Um companheiro sincero, terno, sábio.

Alguém com jeitinho de menino, inocência de criança, mas atitude e relevância de um grande homem...

Enfim, alguém que tenha personalidade própria, não se deixe envolver por falsas aparências, tenha determinação, personalidade, presença.

Alguém que saiba valorizar o relacionamento, respeitando-o, construindo-o todos os dias. Que viva intensamente com alegria e felicidade.

Alguém capaz de viver a dois, sendo cada um individualmente, capaz de ensinar e aprender a vida de casal.

Alguém que ame família, não somente a sua, também aquela da companheira.

Alguém que saiba respeitar, envolver-se e compartilhar com a pessoa que está ao seu lado o cotidiano da vida.

Alguém que não conte os centavos que gasta comigo, que eu seja o centro de sua atenção e respeito.

Alguém capaz de aprender e ensinar, em cada dia, novas lições de amor.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

PAZ NO CORAÇÃO

 

A paz de Deus vem à mente quieta - UCEM

BILHETE
Se tu me amas, ama-me baixinho
Não o grites de cima dos telhados
Deixa em paz os passarinhos
Deixa em paz a mim!
Se me queres,
enfim,
tem de ser bem devagarinho, Amada,
que a vida é breve, e o amor mais breve ainda...

Mário Quintana

Em tempo de paz convém ao homem serenidade e humildade; mas quando estoura a guerra deve agir como um tigre!

William Shakespeare

Por um lado, ter um inimigo é muito ruim. Perturba nossa paz mental e destrói algumas de nossas coisas boas. Mas, se vemos de outro ângulo, somente um inimigo nos dá a oportunidade de exercer a paciência. Ninguém mais do que ele nos concede a oportunidade para a tolerância. Já que não conhecemos a maioria dos cinco bilhões de seres humanos nesta terra, a maioria das pessoas também não nos dá oportunidade de mostrar tolerância ou paciência. Somente essas pessoas que nós conhecemos e que nos criam problemas é que realmente nos dão uma boa chance de praticar a tolerância e a paciência.

Dalai Lama

A paz não pode ser mantida à força. Somente pode ser atingida pelo entendimento.

Albert Einstein

Ninguém conseguiria manter a ordem sem a justiça, mas ninguém constrói a paz sem amor.

(Chico Xavier Emmanuel)

É DIFÍCIL PEDIR PERDÃO?

Uma das coisas mais injustas da vida é o fato de não se poder controlar o tempo. Depois, esse tempo que move a vida pode ser cruel com as pessoas. Jovens erram porque sabem pouco. Velhos erram quando, achando que sabem tudo, tentam consertar as coisas que estragaram quando jovens. Reparação é fato para objetos, não para pessoas mortais. Nem sempre é possível consertar os erros do passado, mas é possível não repeti-los. É ato digno repará-los com a palavra ”perdão”, desde que o intuito não seja por “panos quentes”, encontrar justificativas para aquilo que não é justificável.

A vida caminha, independentemente de erros e acertos, para o curso inexorável do tempo, sempre avançando. A vida não caminha para trás. Por isso não tem sentido lamentações de erros, é preciso não cometê-los, repetidamente, fingindo está fazendo o certo. Enganar os outros é algo terrível, enganar a si mesmo é uma estupidez! É digno agir com inteireza, seriedade, assumindo aquilo que foi mal feito e procurar fazer bem feito, importando-se com o bem maior que é a vida, a felicidade, a justiça. Minimizar os erros é o pior que pode fazer o ser humano. Culpar os outros, algo cruel, grosseiro, avassalador.

Quando um erro é grande demais, é questão de honradez tentar repará-lo, fazendo uma autoanálise, procurando saná-lo, pedir perdão e não insistir em permanecer na mesma encruzilhada. Não se deve achar que tudo foi bobagem, pois o ser humano é um ente repleto de sentimentos e de memória. Não se deve viver de mágoas, mas não se pode fazer de conta que nada aconteceu. Os acertos da vida também se fazem com as memórias do passado. É preciso abandonar maldades, repor verdades, reparar enganos, perdoar e fazer-se perdoar. A palavra desculpa existe para ser usada, não como metáfora, mas com as veias do coração.

O difícil é que nem todas as pessoas conseguem enxergar seus próprios erros, põem, sempre, culpa nos outros. É mais fácil culpar alguém a redimir-se de incorreções, pecados, exageros, excessos maldosos. Há pais que acham que os filhos são santos. Acobertam tudo quanto fazem e, com isso, atribuem à culpa aos outros. Erro grosseiro, porque os filhos se tornam insuportáveis diante do mundo. As pessoas, modo geral, não os suportam pelo excessivo mimo que recebem dos pais. Eles não sabem resolver nada na vida porque têm os pais para fazer isso para eles. Não lutam, deixam os pais lutarem por eles. Não procuram um espaço ao sol, os pais trazem o sol para eles.

A reparação do sofrimento causado às outras pessoas pode ser um caminho árduo, solitário e triste, mas será que se deve ignorar tal tarefa só porque ela é difícil?! Voltar atrás não é melhor do que se perder no caminho, deixar-se de ser feliz? O ser humano precisa ser honesto, correto, corajoso. É preciso agir, sempre, com muita dignidade. Não se pode consertar tudo e nem mudar o que já foi, mas enquanto vida houver é possível tentar, pois há esperança. E mudar não é ato de humilhação, é ação de grandeza. Todas as pessoas já tiveram, de uma maneira ou de outra, experiências difíceis na vida. Isto faz parte dessa viagem sobre a Terra – e embora muitas vezes acredite-se que “as coisas podiam ter acontecido de outra maneira” - o fato é que elas não podem ser mudadas, ficaram no passado, magoaram, feriram, sangraram o coração. Todavia, com a experiência passada é possível fazer um presente melhor, analisando erros e acertos.

Finaliza-se a reflexão dizendo que a dor faz parte da vida - como faz parte a alegria, a fome, e a vontade de sonhar. Não adianta fugir, porque ela termina nos encontrando. Mas sua única função é nos ensinar algo. Aprendemos suas lições, e isso basta. Sigamos em frente com a coragem de olhar para trás e fazer do presente um momento sempre melhor. Viver dignamente é a estrada mais florida.

sábado, 7 de abril de 2012

BENÇÃO DO AMOR

Margaridas brancas para todas as pessoas, assim como eu, que amam e desejam a Paz!

 

"Não é preciso que a bondade se mostre; mas sim é preciso que se deixe ver." (Platão)

Relembro, naturalmente,
com a mesma sede de antigamente e com a mesma ânsia de outrora,
os tempos em que nada sabia,
tal como agora sei que nada sei agora!
Refúgio das horas tristes, acolhe-me.
Dá-me a bênção da poesia inatingível e por isso, talvez a mais preciosa.

ORAÇÃO DE FÉ

 

 

Senhor, fazei de mim um instrumento da vossa comunicação,

Onde  houver boatos, inveja, calunia, traição, engano,

Que eu leve uma palavra fé, honestidade,  sinceridade, amor, união!

Onde tantos procuram ser servidos,

Que eu leve a alegria de  bem servir!

Onde tantos fecham a mão para doar nada a ninguém,

Que eu abra meu coração para lhes mostrar o bem de abraçar!

Onde tantos adoram  levar vida parasitária,

Que eu tenha sabedoria para ensinar a plantar e a colher!

Onde tantos desconhecem o ser humano,

Que eu saiba humanizar as pessoas!

Onde a vida perdeu o sentido,

Que eu leve o sentido de viver!

Onde tantos me pedem um peixe,

Que eu saiba ensinar a pescar!

Onde tantos me pedem um pão,

Que eu saiba ensinar a semear!

Onde tantos estão sempre distantes,

Que eu seja alguém sempre presente!

Onde tantos sofrem de solidão que faz morrer,

Que eu seja a amiga que faz viver!

Onde tantos morrem na matéria que passa,

Que eu viva no espírito que fica!

Onde tantos olham para a terra,

Que eu saiba olhar para o céu!

Que Deus me proteja dos inimigos,

Que eu seja sempre do bem e muito feliz!

ESSA TAL SAUDADE

 

Palavra que traduz a falta de algo ou alguém

Um ente querido, um amigo ou o ser amado.
Saudade é solidão acompanhada do além,
É quando o amor ainda não foi embora,
Mas o ser amado já é de alguém...
Saudade é gostar do passado que passou.

Mas a saudade restou e ficou
A machucar, sangrar, recordar no coração,

É ver a vida sem olhar a razão,

Sentir o peito apertar de dor...

Saudade é sentir aquilo que se perdeu,

Que não existe mais.

Um amor que partiu, um carinho demais,

Um coração solitário, que adormeceu,

Enfraqueceu e não volta jamais...
Saudade é o inferno em vida,
É a dor daquilo que se perdeu,

A lembrança do que não se esqueceu,
É o sonho, a memória perdida,

O embalo da vida entorpecida...
Uma só pessoa no mundo deseja sentir saudade:
aquela que nunca amou,

Por que assim nada marcou,

A infinita vontade de compartir,

Dividir, sentir a vida pautada...
Essa saudade é o maior dos sofrimentos.
E não senti-la é viver sem lembranças,

Sem a memória do tempo, dos momentos,

Dos sonhos dos alimentos,
Passar pela vida e não viver.

O NOME DETERMINA O DESTINO DE UMA PESSOA?

 

A ideia de que o nome das pessoas está entrelaçado com o destino é algo tão antigo quanto o livro dos Gênesis, da Bíblia, quando Abrão teve seu nome mudado para Abraão, que significa “pai das multidões”, em hebraico. Assim, vem de longe a crença de que o nome pode exercer influência no caráter e no destino das pessoas. Os romanos, a esse respeito, assim se pronunciavam: nomen est omen, isto é, “o nome é um algúrio”. O estudo destinado à explicação dos nomes próprios recebe o nome de ONOMÁSTICA, que é um dos ramos da linguística que se inclui a Antroponímia (estudo dos nomes das pessoas).

A palavra “nome” vem do vocábulo hebraico shem e do grego, onoma. E, segundo o Dicionário Aurélio, é oriunda do latim nomen, “vocábulo com que se designa pessoa, animal ou coisa”. Na opinião de Cícero, “nome é o sinal característico que faz com que se conheçam individualmente as coisas”.

Para Mansur Guérios, “os antropônimos [nomes próprios de pessoas], quando surgiram, levavam consigo um significado que, em geral, traduzia qualquer realidade condizente com os indivíduos, seus portadores”. Já Aristóteles, numa abordagem mais filosófica, procurava a verdade das coisas na propriedade dos nomes. Para ele, o nome possuía a capacidade de traduzir o caráter da pessoa ou coisa que o traz. De acordo com os babilônios, “não ter nome era um sinal de não existir”. De fato, criam os antigos que “o nome é inextricavelmente vinculado com a pessoa do seu portador”. Era tal essa crença na antiguidade que tanto “na Mesopotâmia como no Egito, o conhecimento do nome era tido por sagrado”.

Assim, persuadidos de haver um poder misterioso em cada nome e de que os nomes tinham uma influência direta sobre aqueles que os usavam, o cuidado na escolha passou a percorrer gerações e alcançou os dias atuais. O texto traduz o significado de alguns nomes e o destino que eles carregam consigo.

Márcia: Do latim "nome que se evoca Júpiter". Entende que o verdadeiro amor compõe-se de uma sucessão de instantes maravilhosos. Realiza com minúcias suas tarefas. É forte, decidida, competente, fiel, firme. O dinheiro é suficiente para o imprescindível, não possui ambição.

Julia: Significa cheia de juventude e indica uma pessoa de memória prodigiosa, muito senso de organização, dinamismo contagiante no caráter. Excelente amiga e dedica-se, totalmente, às pessoas que estima. Luta por aqueles que são injustiçados e, com isso, alcança muitas graças e venturas.

Carlos: Do latim "homem, viril". Significa homem e indica uma pessoa que nunca deixa uma oportunidade passar em branco por estar desatento ou por ter medo de riscos.

Edgar: Significa lanceiro guardião dos bens e indica uma pessoa que não suporte se acomodar. Está sempre ampliando seus horizontes. Além disso, carrega uma boa dose de impulsividade na sua maneira de ser.

Fabiano, Fábio: Significa plantador de favas e indica uma pessoa com facilidade de comunicação. Adora conversar, até com desconhecidos, e se sai bem em atividades que exijam contato pessoal e direto, como vendas, relações públicas e entrevistas.

Fátima: Do árabe "donzela esplendida". É o nome da filha de Maomé. Significa desmamada (ou seja, que deixou de ser bebê, que alcançou um degrau mais alto na escala da evolução). Indica uma pessoa que sabe ouvir a intuição e não se prende a regras ultrapassadas. Jorge: Significa agricultor e indica um homem determinado e seguro de si. Pode ser um pouco arrogante e impetuoso, mas sempre respeita os limites das pessoas à sua volta.

Roberto: Teutônico. Significa aquele que brilha na glória da fama. Um criador, iluminador de ideias, mas nem sempre tem a mesma luz na execução delas.

Sebastião: Do grego "sagrado, reverenciado".

Selma: Árabe / celta, significa pacifica, justa. Indica um caráter que se caracteriza por mostrar sua preferência pelo otimismo perante o pessimismo. É próprio de quem é capaz de sacrificar-se pelos outros e, em contrapartida, mostra-se indolente consigo mesma.

Sueli: Germânico, significa brilho, luz. Variante: Suely. Simboliza a necessidade de se sentir amparada e cuidadosa em qualquer infortúnio. É próprio de mulheres que experimentam alguma timidez ao agir, ainda que costumem expressar suas opiniões com desenvoltura e clareza.

Alexandre(a): Do helênico "protetor e defensor do gênero humano". Significa defensor da humanidade e indica um espírito justiceiro, que não pode ver outra pessoa passando dificuldades sem procurar ajudar. Tem sucesso quando trabalha em atividades comunitárias.

Narciso: Nome de um deus mitológico amante de sua própria beleza.

Patrícia: Nome latino que significa pátria. Pessoa que está sempre em busca da perfeição total. Por ser exigente demais com as pessoas e ter um senso crítico muito apurado, tem solidão como grande companheira. É previdente e nunca fica sem dinheiro.

Os exemplos acima ilustram que os nomes contêm informações sobre a personalidade e os talentos das pessoas, além das oportunidades e dos obstáculos que elas enfrentarão na vida. Pelo nome, segundo muitos estudiosos, é possível reconhecer a verdadeira essência das pessoas, compreender melhor o nosso destino e viver em harmonia com aqueles que nos cercam.

DICAS DE GRAMÁTICA

QUANDO USAR A FIM, AFIM, PROFESSORA?

A fim - Quando a pessoa quer dizer que tem vontade de fazer algo ou quer dar ideia de finalidade/objetivo, use a fim de, uma locução é invariável. Ex.:

Saiu mais cedo a fim de resolver os negócios pendentes.
Estou a fim de um chope.

Afim – Refere-se àquele que apresenta afinidade, semelhança, relação (de parentesco); é adjetivo mais comumente usado no plural. Ex.:

Isso não deve constar no parágrafo porque não é matéria afim.
Relacione neste quadro só os assuntos afins.
João e Maria são afins.

A vida da gente é feita assim: um dia o elogio, no outro a crítica. A arte de analisar o trabalho de alguém é uma tarefa um pouco árdua porque mexe diretamente com o ego do receptor, seja ele leitor crítico ou não crítico. Por isso, espero que os visitantes deste blog LINGUAGEM E CULTURA tenham coerência para discordar ou não das observações que aqui sejam feitas, mas que não deixem de expressar, em hipótese alguma, seus pontos de vista, para que aproveitemos esse espaço, não como um ambiente de “alfinetadas” e “assopradas”, mas de simultâneas, inéditas e inesquecíveis trocas de experiências.