quarta-feira, 27 de julho de 2011

QUANDO UM AMOR VAI EMBORA

Fonte: Imagem colhida na Internet em 27/07/2011, às 21h43min

Quando o amor decide partir

Geralmente ele não consegue fingir

Ele segue sem olhar para o lado

Não deixa nenhum recado

E sai pelo mundo angustiado.

Quando ele descobre que chegou o momento

Não se apega a nenhum lamento

Esquece as memórias e histórias.

Não há nada que consiga prendê-lo

Nenhuma lembrança é capaz de detê-lo

Nada que o faça resistir e ficar.

Quando acontece de o amor acabar

Ele não avisa se um dia vai voltar

Tão pouco confidencia se vai renascer

Quando ele termina faz a gente sofrer.

Quando o amor escorrega por entre os dedos

Como mistério e com muitos medos

Ele não escuta os soluços, os apelos

Isso é sinal que ele se atropelou

Se rompeu, se partiu, se quebrou.

Então, quando o amor vai embora

Deixa uma ferida sangrando no peito

E uma esperança de ser um dia refeito.

Mas quando o amor foge para lugares distantes

Ele se perde em momentos intrigantes

Entre palavras e frases decepcionantes

Dando sinal que ele ficou fraco

Frágil, rasgado em farrapo.

Amor verdadeiro possui qualidade

Equilíbrio e quantidade

Tem muita sinceridade

É passivo nos estragos, mas com consertos

Pode esmorecer, mas sabe sobreviver.

Quando o amor vai embora

Ele parte com o peso dos ombros

É capaz de mover e remover os escombros

Sabe que chegou sua hora.

Quando o amor vai embora

Alguma cicatriz ele deixou

Algum arrependimento ficou

Sinal de tormenta restou

Assim como a dor

E soluços de lamento.

Mas aí vem o tempo

Grande amigo e companheiro

E faz parecer que nada foi verdadeiro

Cada segundo, cada hora e dia

O tempo segue e passa

Cada ano que se vai

Carrega consigo as lembranças

Leva na mala a tristeza, a desconfiança

Faz nascer nova esperança

Quando tropeça em outro amor

Esquece que viveu intensa dor.

Quando um amor vai embora

Significa que chegou a hora

De esquecer e apagar o passado

Olhar para o lado da vida que vai recomeçar

E um novo amor encontrar.

2 comentários:

Anônimo disse...

Carrísma escritora, o poema é digno de prêmios porque traduz os sentimentos mais sutis de um coração partido, do mundo dolorido de um amor que foi embora. Parabéns pelos belos versos.

Anônimo disse...

Luísa, bela e fascinante poeta, igualmente tua poesia, tão simples, elegante, toante, um hino que toca o coração. Imagino-a uma mulher fantástica. Feliz do homem que te tem ao lado. Cordial abraço.

Hidalgo de Assis

A vida da gente é feita assim: um dia o elogio, no outro a crítica. A arte de analisar o trabalho de alguém é uma tarefa um pouco árdua porque mexe diretamente com o ego do receptor, seja ele leitor crítico ou não crítico. Por isso, espero que os visitantes deste blog LINGUAGEM E CULTURA tenham coerência para discordar ou não das observações que aqui sejam feitas, mas que não deixem de expressar, em hipótese alguma, seus pontos de vista, para que aproveitemos esse espaço, não como um ambiente de “alfinetadas” e “assopradas”, mas de simultâneas, inéditas e inesquecíveis trocas de experiências.