quinta-feira, 28 de novembro de 2013

A DIREÇÃO É MAIS IMPORTANTE DO QUE A VELOCIDADE

 

Eu sempre acredito que a direção é mais importante do que a velocidade. Também sei que tudo na vida tem um preço, um endereço e um valor. A chave para o sucesso na vida é o conhecimento do valor sobre as coisas e as pessoas. Mais importante são as pessoas. Ninguém é uma ilha! Acredito que devemos sonhar com os olhos abertos. Os sonhos não determinam o lugar aonde vamos chegar, mas produzem a força necessária para tirar-nos do lugar em que nos encontramos. Sonhos são mais do que desejos. Um sonho é um projeto de vida.

A verdade é que nada, ninguém e nenhum acontecimento tem valor por si mesmo.  O valor de cada coisa somos nós que atribuímos.  É o nosso pensamento que atribui o valor para cada acontecimento fazendo-o grande ou pequeno, importante ou insignificante. O tempo, estou certa, é o Senhor que atribui dimensão para todas as coisas.

Aristóteles acreditava que a felicidade era mais que mero prazer, diversão ou entretenimento. Ele escreveu que essas coisas são transitórias, não duradouras, enquanto que a realização vem de dentro, da alma, do interior de cada um de nós. A felicidade para esse grande filósofo era a "excelência de caráter", a realização das virtudes clássicas: sabedoria, moderação, coragem e justiça.  As virtudes da fé, esperança e caridade são virtudes cristãs, que viriam a ser conhecidas mais tarde.

Eu creio que a “virtude” não é uma meta inatingível. Ao contrário, está ao nosso alcance.Assim, ao falar em virtude, refiro-me àquelas citadas por Aristóteles, acrescidas das virtudes cristãs, e virtudes de ver corretamente e pensar corretamente sobre as pessoas e fatos. Não significa fazer de uma opinião individual uma verdade universal. As pessoas são repletas de defeitos e virtudes. Alguns possuem mais defeitos; outros, mais virtudes. E assim a vida segue. Importante é não camuflar as verdades sob o véu de interesses particulares, olvidando das virtudes que as pessoas devem zelar, sempre.

Eu tenho defeitos humanos, mas procuro ser virtuosa na vida, em tudo que faço, nas relações com os meus semelhantes, no trabalho, na família, nas relações afetivas e sociais. Infelizmente o ser humano tem a capacidade de querer tirar de si defeitos horrendos e atribuir aos outros, como se pudesse enganar o mundo o tempo todo. Mas as mentiras não duram para sempre. Quando menos se espera o sol nasce, ilumina a vida, mostra as verdades com clareza.Por isso eu acredito que se as pessoas soubessem dar valor ao caráter,o quanto elas dão importância a classe social,cor e beleza, dinheiro e aparências, talvez o mundo não estivesse a beira do abismo em que se encontra. E, consequentemente, as pessoas seriam mais leais e corretas.

5 comentários:

Carlos Augusto Oliveira disse...

É verdade professora, o seu texto conduz à excelente reflexão sobre a vida e seus valores. Denota maturidade, sabedoria e, sobretudo, honestidade, simplicidade, inteligência, humanismo. A senhora é uma mulher muito inteligente e sensível para a vida. Também demonstra ser uma pessoa muito verdadeira como devem ser os seres humanos, pois somente assim o mundo se tornaria melhor para se viver. parabéns.

Jonas de Queiroz Silva disse...

Termo simples, verdadeiro, que todos deviam ler. Eu gosto de seu olhar sobre a vida. Tem muita humanidade e sabedoria, estimada professora. Um grande abraço.

Anônimo disse...

A vida é para quem sabe viver. Quem não sabe passa por ela e não deixa saudade. É uma escola onde se deve respeitar valores morais, sociais, religiosos. Parabéns pela reflexão.

Clécio Morais disse...

Eu concordo com a sua reflexão professora Lessa. A vida é preciosa, os valores devem ser respeitados. Os sonhos precisam ser conquistados no dia a dia.

Francisco Rdrigues disse...

Bela reflexão Dra. Lessa! Essa história de olhar defeitos alheios é algo comum nos humanos. Tanta gente deixa de ser feliz para olhar defeitos alheios quanto possui tantos e tantos. Por vezes muitos feios, terríveis. Beleza de análise reflexiva.

A vida da gente é feita assim: um dia o elogio, no outro a crítica. A arte de analisar o trabalho de alguém é uma tarefa um pouco árdua porque mexe diretamente com o ego do receptor, seja ele leitor crítico ou não crítico. Por isso, espero que os visitantes deste blog LINGUAGEM E CULTURA tenham coerência para discordar ou não das observações que aqui sejam feitas, mas que não deixem de expressar, em hipótese alguma, seus pontos de vista, para que aproveitemos esse espaço, não como um ambiente de “alfinetadas” e “assopradas”, mas de simultâneas, inéditas e inesquecíveis trocas de experiências.