segunda-feira, 22 de novembro de 2010

DE ONDE VÊM OS NOMES DAS PESSOAS?

0000013729

Há muitas indagações sobre a origem e significado dos nomes das pessoas. Por isso, faz-se, aqui, breve reflexão sobre as razões ou motivos que conduzem os pais na escolha de um nome para os filhos. Estudos embasados na ciência Antroponímia podem responder a muitas indagações da curiosidade humana. Os antropônimos, segundo a Onomástica ou Onomatologia, podem ser estudados sob dois aspectos principais: lingüístico - da sua origem ou criação (etimologia); social ou psicossocial - escolha ou razões por que os nomes são empregados (cresiologia). É este último que direciona o presente texto.

Antropônimos religiosos – a fé, adoração ou veneração a Deus motiva muitos nomes. Aqui a criança é posta sob a proteção de Deus ou é declarada amiga, serva ou pertença dele: Abdiel "meu servo é Deus"; Tobias "o meu bem é Deus"; Elias "meu Deus é Javé"; Teófilo: "amigo de Deus"; Demétrio "pertencente à deusa Deméter"; Carmelo e Carmen "da divindade (adorada) no monte Carmelo”.

Antropônimos criados pelas circunstâncias do nascimento - o parto dificultoso deu origem a diversos nomes: Benôni: "filho da minha dor"; Jacó "ele segura o calcanhar de Esaú"; Sérvio "o salvo, o livre (do parto atribulado)"; Agripina ou Agripino “criança que no parto anormal apresenta primeiro os pés”; César "o que tem cabelos compridos, o cabeludo", ou se relaciona com o verbo "cortar" e aqui se compara à expressão — operação cesariana.

Antropônimos motivados pelas circunstâncias do tempo do nascimento - Lúcio, Lúcia "o que ou a que nasceu à luz do dia ou ao romper d' alva"; Domingos é "o nascido num domingo"; Natália, Natalino, pessoas nascidas no dia do Natal; Epifânio e Hosana se referem ao domingo de Ramos; Pascual, Pascualino, nascidos na Páscoa; Januário, nasceu em janeiro.

Antropônimos criados pelas circunstâncias do lugar do nascimento ou proveniência – Herculano “da antiga cidade de Herculano”; Madalena "da cidade de Mágdala", na Galiléia; Caetano "natural de Caieta ou Gaeta"; Libânio "o do Monte Líbano”; Oceana, aquela que nasce no mar; Marina, que vive no mar; Guido, Silvestre, nascem no mato; Vaspiano, nasceu a bordo de um avião da Vasp.

Nomes alusivos às qualidades morais e físicas – Eusébio, "pio, religioso"; Agamenon "muito circunspeto, de muita reflexão"; Sebastião "augusto, magnífico"; Veríssimo: "amante da verdade"; Constantino "constante, perseverante"; Frederico "senhor ou príncipe da paz"; Rachid: "justiceiro"; Nabiha “esperta, vivaz"; Astolfo "impetuoso, violento como o lobo"; Everardo "forte como o javali"; Leopoldo "audacioso como o povo"; Rogério "lança de celebridade"; Ranulfo "lobo do conselho"; Otoniel "leão de Deus"; Abel "sopro, hálito".

Nomes alusivos às qualidades ou particularidades físicas - Cláudio "coxo"; Plauto "o de pés chatos"; Maximo “o de alta estatura; Esaú “o cabeludo”; Maluf “engordado, gordo”; Boccaccio “de boca larga, bocarra”“.

Nomes alusivos à cor da tez, dos olhos ou dos cabelos - Aurélio, Aureliano: "da cor do ouro"; Níger, Nigrino "negro, de cor preta"; Albino "albino, alvo, branco"; Bruno “o de olhos ou cabelos castanhos”; Bianca “de cor branca”.

Nomes alusivos às profissões – George, Jorge "agricultor"; Licurgo “caçador de lobos"; Ptolomeu "guerreiro"; Cícero: "ervilheiro, plantador de ervilhas"; Fábio "plantador de favas"; Monteiro "caçador dos monteiros, oficial da casa real que dirigia as caçadas reais".

Nomes históricos ou provenientes de Instituições - Romeu "peregrino que ia a Roma receber indulgências do papa"; Vilar, Vila, Vilela, referem-se às vilas medievais; Novais, o senhor de terra Novalis; Couto e Coutinho, referem-se a terras privilegiadas por autoridade dos reis de Portugal; Otto,Odette "riquezas, propriedades".

Antropônimos alusivos a nomes de santos - Mercês (por nascer a 24 de setembro, no dia de Nossa Senhora das Mercês); Rita de Cássia (22 de maio). Conforme a invocação de Nossa Senhora, têm-se muitos nomes: Maria da Encarnação, M. Bernadette, M. da Graça, M. dos Prazeres, M. das Dores, M. do Rosário, M. de Lourdes, M. da Luz, M. da Assunção, M. da Conceição, M. do Carmo, M. das Neves, M. da Candelária; M. da Fé, M. de Terço, M. Custódia, M. Celeste, M. da Adoração, etc.

Motivos de família ou amizade – o nome do pai ou da mãe, do avô, da avó, tio, padrinho, de um amigo, de um benfeitor é dado à criança: Claudionor (m.) = Cláudio e Leonor; Silvanir (f.) = Sílvio e Nair; Erlice (f.) = Ernesto e Alice; Eral (m.) = Ernesto e Alice; Fredericindo = Frederico e Gumercindo; Joedy = José e Matilde (padrinhos); Lydiomar = Lydio e Maria Jomar = José ou João e Maria. Quatro irmãos têm nomes terminados em y : Pery, Aracy, Osny, Darcy.

Motivos diversos - provenientes do arbítrio, acaso, superstição, fantasia, moda, gosto: Armâncio, Alvacir, Adyail, Acrelinda, Claudir, Clésio, Claudemir, Claudinei, Dalmy, Dilza, Dylma, Darvi, Edivir, Edevair, Eny, Erivan, Edyr, Eloyr, Elmes, Elleny, etc.

Conclui-se dizendo que a origem do nome das pessoas decorre da necessidade: a) de citá-las; b) de chamá-las; c) de distingui-las entre as demais, dentro da família e da comunidade. Por isso a existência dos antropônimos é fenômeno documentado entre os povos do mundo, pois toda criatura necessita de um nome que a identifique, a distinga entre as outras. O aparecimento do segundo nome, ou sobrenome, em algumas raças, surgiu em tempos relativamente recentes, pois à medida que as pessoas se multiplicam no mundo a necessidade de identificá-las aumenta também. Assim, quando o nome tradicional já não é suficiente, nascem outras formas de nomeação, ora mostrando ascendência, profissão, origem ou alguma outra característica que possa estabelecer a diferença entre os seres humanos.

DICAS DE GRAMÁTICA

EU TENHO DE ou EU TENHO QUE?

TENHO DE - quando o sentido for de obrigação, necessidade, desejo ou interesse.

Exemplos:
- O Brasil terá de importar arroz.
- O trabalho tem de ser iniciado hoje.
- Eles tinham de sair cedo.
- A prefeitura teve de indenizar os desapropriados.

TENHO QUE - quando expressar possibilidade.

Exemplo: É possível que você tenha que me emprestar o carro hoje.

DE BAIXO ou DEBAIXO?

Nosso idioma parece estar marcando, aqui, a distinção entre "lugar onde" e "lugar DE onde".

1) Ele estava debaixo da cama (onde)

2) Ele saiu de baixo da cama (de onde)

Nenhum comentário:

A vida da gente é feita assim: um dia o elogio, no outro a crítica. A arte de analisar o trabalho de alguém é uma tarefa um pouco árdua porque mexe diretamente com o ego do receptor, seja ele leitor crítico ou não crítico. Por isso, espero que os visitantes deste blog LINGUAGEM E CULTURA tenham coerência para discordar ou não das observações que aqui sejam feitas, mas que não deixem de expressar, em hipótese alguma, seus pontos de vista, para que aproveitemos esse espaço, não como um ambiente de “alfinetadas” e “assopradas”, mas de simultâneas, inéditas e inesquecíveis trocas de experiências.