quinta-feira, 10 de março de 2011

SEGREDOS DA ALMA E DO ESPÍRITO

 

Há indagações curiosas feitas no decorrer da vida. Uma delas é sobre alma e espírito, se são a mesma coisa? Quando criança, aprendi que sim. Depois, ao crescer, descobri que mesmo sinônimas na fé, também são palavras polissêmicas. Ou seja, podem ter vários significados, a depender da intenção de quem as utiliza. Embora, muitas vezes, usadas com o mesmo sentido, haverá uma distinção entre uma e outra?

A palavra espírito pode ser traduzida por “vida”, “alma”, “criatura”, “pessoa”, “apetite” (ou “desejo”), “mente” e o “próprio ser”. Enquanto a alma relaciona-se com as necessidades básicas da vida e até mesmo com a própria vida. A alma humana possui três potências -- e não partes -- três capacidades: a de conhecer, ou inteligência; a de querer, ou vontade; a de sentir, ou sensibilidade. Por isso a alma então não é composta. Ela é simples.

Segundo Platão, o espírito é peregrino neste mundo, prisioneiro na caverna do corpo. Deve, pois, transpor este mundo e libertar-se do corpo para realizar o seu fim, isto é, chegar à contemplação do inteligível, para o qual é atraído por um amor nostálgico, pelo eros platônico. A alma é o foco da consciência e da personalidade. Sente, pensa e quer.

Vê-se, então, pela substância, que o espírito não se separa da alma nem a alma do espírito. E sendo a alma espiritual, não existe na pessoa humana um espírito distinto da alma. Além do mais, toda a alma está ligada ao corpo, como a forma está ligada à matéria. Um corpo é uno, embora composto de alma e espírito.

Nos animais irracionais, diferente dos racionais, a alma é coincidente com a vida. O animal não tem alma espiritual. Por isso, quando ele morre, morre sua alma que é a vida dele. Enquanto no meio humano, quando uma pessoa morre, a alma se separa do corpo -- a morte é essa separação -- e a alma se apresenta diante de Deus para ser julgada.

Todas as religiões do universo, bem como a convicção milenar do pensamento filosófico, afirmam a existência da alma. Só o positivismo e o materialismo tentam negar a sua existência. Mas, afinal, quem prova a existência da alma e do espírito?

O Amor, necessidade fundamental na vida, prova a existência da alma e do espírito. O Amor é o pão da alma e do espírito. A alma, apesar de não ser material, necessita de um alimento, uma forma de energia, e a melhor forma de nutrir a alma é dar-lhe um significado, é transformar o ser humano Torrente em ser humano de Desejo, fazendo cumprir o que determinou Deus: crescei e multiplicai-vos. Amar uns aos outros.

Assim, alma e espírito se alimentam do Amor e também aí se completam. Pois da mesma forma que o corpo nutre-se de recursos orgânicos para sua sobrevivência, o espírito vai nutrir-se de recursos afetivos para o seu equilíbrio íntimo. Amar é importante. O Amor é tudo na vida, também alma e espírito juntos.

Afinal, qual o segredo da alma e do espírito? Está no coração das pessoas. Reside na felicidade, o bem maior depois da vida. O segredo é ser bom. Assim como o segredo do perdão é olhar sem julgamento. O segredo da fé é procurar as provas. O segredo do carisma é olhar com amor. O segredo da saúde é a alegria. O segredo da força é a vontade. O segredo do amor é a inteligência. O segredo do destino feliz é ficar no melhor. O segredo do equilíbrio é buscar o espiritual. A Vida tem seus segredos, mas para quem está atento e não vive para prejudicar os outros. Alma e espírito harmônicos traduzem felicidade. Então, que cada pessoa cultive bem a alma e o espírito e todos serão felizes.

DICAS DE GRAMÁTICA

MUITO OBRIGADA, EU MESMA, EU PRÓPRIA 
As mulheres devem dizer: muito obrigada, eu mesma, eu própria.
Os homens devem dizer: muito obrigado, eu mesmo, eu próprio.

MAIORIA FOI/ MAIORIA FORAM
O verbo deve concordar com o sujeito, não há outra alternativa. 
Exemplo: A maioria foi embora.
Mas há polêmica quando se determina a maioria.
Exemplo: A maioria dos alunos foi embora.
Há gramáticos que admitem a concordância com o determinante do coletivo:
A maioria dos alunos foi (ou foram) embora.
A multidão de torcedores fanáticos aplaudiu (ou aplaudiram) a jogada.

MÚSICA/ MÚSICO
Parece esquisito, mas feminino de “músico” (o profissional) é música (a profissional). Há coincidência com o substantivo música no sentido de “arte e ciência de combinar os sons de modo agradável ao ouvido”.

4 comentários:

Isaac Melo disse...

Profª. Luísa,

quero felicitá-la pelos textos mais uma vez. Apesar da demora, sempre estou por aqui saboreando seus escritos!

Um bom trabalho e um forte abraço!

Luísa Galvão Lessa disse...

Caríssimo Isaac,
É imensa honra tê-lo como leitor, isso porque você escreve como poucos e sabe como é trabalhoso tecer bons textos. O teu Blog é fabuloso!
Faço grande esforço, nem sempre consigo agradar a mim mesma com meus textos. Escrever é uma arte que exige, também, inspiração.
Um forte abraço,
Luísa

Anônimo disse...

excelente a sua materia. mas voce e
de qual ministerio? abraços

PB. DENÉSIO. CUIABA MT. UFMT. disse...

pb. denesio de cuiabá mt.
gostei da materia. mas tem muita gente confundidas não e mesmo? abrços e apaz do senhor.

A vida da gente é feita assim: um dia o elogio, no outro a crítica. A arte de analisar o trabalho de alguém é uma tarefa um pouco árdua porque mexe diretamente com o ego do receptor, seja ele leitor crítico ou não crítico. Por isso, espero que os visitantes deste blog LINGUAGEM E CULTURA tenham coerência para discordar ou não das observações que aqui sejam feitas, mas que não deixem de expressar, em hipótese alguma, seus pontos de vista, para que aproveitemos esse espaço, não como um ambiente de “alfinetadas” e “assopradas”, mas de simultâneas, inéditas e inesquecíveis trocas de experiências.