domingo, 12 de agosto de 2012

O BOM ESTUDO É A FUNDAMENTAÇÃO SÓLIDA DAS PROFISSÕES

 

O bom estudo é a fundamentação sólida das profissões. Estudo é o tempo que uma pessoa gasta na obtenção do conhecimento. Estudar é ter conhecimento geral do mundo e da vida. Hoje, mais do que antes, o sonho de todo jovem, que deseja um futuro brilhante, é estudar em boas universidades. Para tanto, muitas vezes, é necessário sair pelo mundo à procura de boas universidades. É isso que aponta o instituto inglês QS World University Rankings, que realizou uma pesquisa para apontar quais as melhores cidades do mundo para se estudar. O resultado, divulgado no dia 14/02/2012, revelou que Paris é a primeira da lista, seguida por Londres, Boston, Melbourne e Viena.

A metodologia do estudo consistiu em selecionar as cidades com mais de 250 mil habitantes e com, pelo menos, duas instituição reconhecidas pelo site. Enquadravam-se nesses pré-requisitos, 98 cidades. Dessas, 50 entraram no ranking. A pontuação baseou-se em 12 critérios, divididos em cinco categorias: performance das universidades no QS World University Rankings; diversidade de estudantes (considerando a perspectiva internacional); qualidade de vida; popularidade entre os empregadores; acessibilidade (custo de vida e ensino)..]

O instituto inglês QS elaborou um ranking inédito com as 50 melhores cidades para fazer faculdade em 2012. Confira as cinquenta cidades classificadas:

1. Paris –França

2. Londres –Reino Unido

3. Boston – Estados Unidos

4. Melbourne – Austrália

5. Viena – Áustria

6. Sydney – Austrália

7. Zurique - Suíça

8. Berlim – Alemanha

9. Dublin – Irlanda

10. Montreal – Canadá

Segundo a pesquisa, a Europa superou os EUA em um novo ranking das melhores cidades do mundo para se estudar, este novo ranking foi publicado pela primeira vez pelo mesmo grupo de pesquisa que publica anualmente o QS World University Rankings.

Paris está no topo da lista a frente de Londres, Boston e Melbourne, com outras 6 cidades europeias completando as dez melhores. Singapura (12th) é a melhor cidade asiática na lista a frente de Hong Kong (19=) e Tóquio (19=), enquanto a Austrália é o único país com duas cidades no top 10.

Baseado em 12 critérios, QS Best Student Cities 22012 leva em consideração a qualidade e o número de universidades ranqueadas internacionalmente, outros fatores também considerados são a qualidade de vida, o custo dos estudos e a reputação local das universidades junto aos empregadores.

A Europa triunfa em qualidade de vida e custo de estudos, com o preço das anuidades abaixo de US$1,000 nas cidades que estão no top 10 tais como Paris, Viena, Zurique e Berlim comparados com $30,000 nos EUA.Vinte cidades europeias fazem o top 50 contra com 9 cidades da Ásia e 9 cidades da América do Norte. Há quatro cidades classificadas na América Latina: Buenos Aires (24), Cidade do México (31) Santiago de Chile (41) e São Paulo (45).

A pesquisa mostra que a Europa é um dos melhores lugares para se estudar, com uma ótima qualidade de vida e um bom custo de estudo, com o preço das anuidades abaixo de US$1,000 nas cidades que estão no top 10 tais como Paris, Viena, Zurique e Berlim, comparados com $30,000 nos EUA.

Fazem parte do top 50, vinte cidades europeias, 9 cidades da Ásia e 9 cidades da América do Norte. Há quatro cidades classificadas na América Latina: Buenos Aires (24), Cidade do México (31) Santiago de Chile (41) e o Brasil aparece com São Paulo na 45º posição.

Ir para uma universidade é mais que apenas selecionar a mais prestigiosa instituição. Quando uma diversa escala de fatores é tomada em consideração, cidades da Europa continental, Austrália e Ásia oferecem distintas vantagens aos estudantes.

Nenhum comentário:

A vida da gente é feita assim: um dia o elogio, no outro a crítica. A arte de analisar o trabalho de alguém é uma tarefa um pouco árdua porque mexe diretamente com o ego do receptor, seja ele leitor crítico ou não crítico. Por isso, espero que os visitantes deste blog LINGUAGEM E CULTURA tenham coerência para discordar ou não das observações que aqui sejam feitas, mas que não deixem de expressar, em hipótese alguma, seus pontos de vista, para que aproveitemos esse espaço, não como um ambiente de “alfinetadas” e “assopradas”, mas de simultâneas, inéditas e inesquecíveis trocas de experiências.