terça-feira, 20 de novembro de 2012

SOLIDÃO

 

 

A solidão não assusta,
É também companheira,
Que permite reflexão,
Uma coisa altaneira,

Uma realidade que custa.
Solidão faz companhia,
Ajuda a meditar,
Usa pesos e medidas,
Ensina a não julgar,

É singela, madura, energia.
Solidão ensina a amar,
Ajuda a compreender a vida,
Ensina a alma a se curar,
É vizinha do eu na corrida,

Deseja se completar.

Solidão reflete as estrelas

Avista o amanhecer,

Mira os planetas, o alvorecer,

Olha os mares ao anoitecer,

Encontra paz ao adormecer.

 

O que tem o nome de alma

Passa por estados, assim como a solidão,

Vive entre o hoje e o ontem,

Sonha com companhia

Tem destino no coração.

Um comentário:

Anônimo disse...

A solidão é algo mais interior. Por vezes a pessoa se vê cercada de gente e sente solidão. Também é preciso aprender a conhecer a alma, aconchegar-se com ela. Há um dito popular a dizer: "antes só que mal acompanhado". Acredito nisso. Consigo viver bem sozinho, não encontrei a minha alma gêmea. O que fazer? Lindo poema. Parabésn!

A vida da gente é feita assim: um dia o elogio, no outro a crítica. A arte de analisar o trabalho de alguém é uma tarefa um pouco árdua porque mexe diretamente com o ego do receptor, seja ele leitor crítico ou não crítico. Por isso, espero que os visitantes deste blog LINGUAGEM E CULTURA tenham coerência para discordar ou não das observações que aqui sejam feitas, mas que não deixem de expressar, em hipótese alguma, seus pontos de vista, para que aproveitemos esse espaço, não como um ambiente de “alfinetadas” e “assopradas”, mas de simultâneas, inéditas e inesquecíveis trocas de experiências.