quinta-feira, 29 de setembro de 2016

O PORTUGUÊS É UMA REALIDADE MONOLÍTICA NO BRASIL?

          O português é a língua nacional do Brasil e, por isso, a língua oficial. Ter uma língua como própria de um país funciona como um elemento de sua identidade política e cultural. Porém, não há correspondência direta entre uma língua nacional e um Estado. Cada país pode ter mais de uma língua oficial, em virtude de ter na sua história e em sua constituição étnica povos diferentes. Todavia, aqui no Brasil, embora ele seja constituído por culturas diferenciadas, a língua nacional e a língua oficial são uma só. Mas isso não significa dizer que o país é singular, do ponto de vista linguístico. O Brasil é plural porque aconteceu aqui a miscigenação de raças a falar a língua portuguesa.
Assim, observando o uso da língua nacional, o português, no seu funcionamento continental, avista-se que ele apresenta uma diversidade interna muito grande. Há a língua do cotidiano que difere da língua escrita. Há a língua de um grupo social que difere da língua de outro grupo social. Ex.: Garota x Mina x Pitéu; Há a língua de uma região que difere da língua de outra região. Ex.: Semáforo x Farol x Sinal (trânsito); Há a língua de um grupo profissional que difere da língua de outro grupo profissional. Ex.; Tórax x Peito.
A diversidade acima comentada pode ser vista nas diferenças linguísticas entre falantes do Centro-oeste e a do Sul; do Sul e do Sudeste; do Nordeste ou do Norte. E mesmo dentro de uma região é possível notar diferenças significativas. Até mesmo dentro de uma cidade, se ela for grande, estas diferenças podem aparecer. É nesta medida que a língua nacional aparece como uma unidade imaginária, que funciona como a garantia de que todos têm a mesma língua. Essas diferenças entre as variedades de uma língua são, com frequência, chamadas de dialetos.
Então, é ilusão pensar-se que o português, língua majoritária no Brasil, constitui uma realidade monolítica e homogênea. Sujeito ao fenômeno da variação, próprio a todas as línguas, o português do país apresenta diversidade interna correlacionada  com o espaço geográfico, o estrato sociocultural, a faixa etária e o sexo do falante. Desse modo os falantes de diferentes regiões do país mostram diferenças no uso da língua (variação geográfica ou diatópica), bem como falantes que ocupam diferentes lugares na estrutura social (variação diastrática), ou que pertencem a gerações diferentes, ou mesmo falantes que são de  sexo diferente.
Porém, essa diversidade que se observa de falante para falante, chamada dialetal (do termo dialeto) não é a única a ocorrer. A língua varia ainda em outra dimensão, no interior de um dialeto, em função das circunstâncias específicas em que se realiza o ato de fala: conforme o canal utilizado na comunicação, conforme o grau de intimidade existente entre os interlocutores, conforme o assunto tratado, o local em que ocorre a interação. Assim é que, diferentes recursos da língua são mobilizados conforme o falante esteja se comunicando oralmente ou por escrito, conforme a situação de fala permita um estilo mais informal ou exija uma linguagem mais formal (variação estilística ou diafásica).
            Percebe-se, então, ser a língua portuguesa, assim como qualquer outro idioma, uma língua muito viva, rica e colorida além de sua gramática normativa. As inúmeras variedades dessa língua falada por milhões de brasileiros, em diferentes regiões, tradições, idades e classes sociais podem ser entendidas como um tesouro linguístico, um verdadeiro patrimônio cultural de nossa diversidade. Os sabores sortidos das construções sintáticas, dos sotaques e dos vocabulários surgidos na espontaneidade do cotidiano são frutos evidentes dessa fertilidade que denominamos “português do Brasil”, com os matizes que vão de Norte a Sul, do Oiapoque ao Chuí.

Nenhum comentário:

A vida da gente é feita assim: um dia o elogio, no outro a crítica. A arte de analisar o trabalho de alguém é uma tarefa um pouco árdua porque mexe diretamente com o ego do receptor, seja ele leitor crítico ou não crítico. Por isso, espero que os visitantes deste blog LINGUAGEM E CULTURA tenham coerência para discordar ou não das observações que aqui sejam feitas, mas que não deixem de expressar, em hipótese alguma, seus pontos de vista, para que aproveitemos esse espaço, não como um ambiente de “alfinetadas” e “assopradas”, mas de simultâneas, inéditas e inesquecíveis trocas de experiências.