sexta-feira, 27 de julho de 2012

Eterno Mário Quintana

 

Mario Quintana disse que podemos prometer atos, mas não podemos prometer sentimentos, e disse, ainda, que somos culpados pelo que fazemos, mas não somos culpados pelo que sentimos.

 

Quero poder fechar meus olhos e imaginar alguém.

E poder ter a absoluta certeza de que esse alguém também pensa em mim quando fecha os olhos, e que faço falta quando não estou por perto.

Mário Quintana

 

Nenhum comentário:

A vida da gente é feita assim: um dia o elogio, no outro a crítica. A arte de analisar o trabalho de alguém é uma tarefa um pouco árdua porque mexe diretamente com o ego do receptor, seja ele leitor crítico ou não crítico. Por isso, espero que os visitantes deste blog LINGUAGEM E CULTURA tenham coerência para discordar ou não das observações que aqui sejam feitas, mas que não deixem de expressar, em hipótese alguma, seus pontos de vista, para que aproveitemos esse espaço, não como um ambiente de “alfinetadas” e “assopradas”, mas de simultâneas, inéditas e inesquecíveis trocas de experiências.