quinta-feira, 31 de julho de 2014

JUST FOR YOU



09LxEEeQX[1]
O que adoro em ti,
Com certeza, é essa aura de luz,
Um ser completo, sincero que seduz.
O que adoro em ti,
Sem nenhuma dúvida, é o caráter sereno,
Ser sincero, correto, pleno,
A ninguém mente ou engana,
A beleza nasce da alma plana.
O que adoro em ti,
Não é a tua inteligência,
Não é o teu espírito sutil,
É o ser valoroso e varonil,
Que faz bem nesta vida,
Sempre presente na acolhida,
Dando um abraço,
E fazendo do amor um laço.
O que adoro em ti,
Não é o gosto musical,
É o dia a dia nunca igual,
Uma presença doce, constante,
Serena e bela como a linha do horizonte.















4 comentários:

Evanilde Mendes Chalub disse...

É uma poesia serena, plena, emotiva e sensitiva. Eu adoro ler e refletir. Grande poeta. Abraços

Maria Cecília Aguiar disse...

Um poema terno, doce, que transmite verdade, sinceridade. É pura poesia. parabéns.

Carlos Costa da Silveira disse...

Estimada e respeitada poeta, eu também admiro tudo isso em ti porque sou um fã de carteirinha.

Anônimo disse...

Miserável sistemas educacional esse brasileiro. País tão rico, mas tantos ladrões. Belo texto.

A vida da gente é feita assim: um dia o elogio, no outro a crítica. A arte de analisar o trabalho de alguém é uma tarefa um pouco árdua porque mexe diretamente com o ego do receptor, seja ele leitor crítico ou não crítico. Por isso, espero que os visitantes deste blog LINGUAGEM E CULTURA tenham coerência para discordar ou não das observações que aqui sejam feitas, mas que não deixem de expressar, em hipótese alguma, seus pontos de vista, para que aproveitemos esse espaço, não como um ambiente de “alfinetadas” e “assopradas”, mas de simultâneas, inéditas e inesquecíveis trocas de experiências.