sábado, 7 de fevereiro de 2015

PAZ NO ADEUS



Tenho um mundo inteiro de Paz,
Sem guerra, fome, tudo de bom que na alma jaz,
Para dias intensos, felizes,
Sem cometer deslizes,
Fé nos entes poderosos,
Que dão glória ao espírito,
E afastam seres maldosos,
Para eu ter meu louvor descrito.
Por tudo que tenho e sou,
Por minha alma que a Deus dou,
Eu te digo:
Podes ficar com tudo que te dei,
O amor, a sinceridade, a saudade,
A dor que feriu meu coração,
A tua mentira, a minha desilusão,
Tudo eu te dou de graça,
Entregue isso às traças,
Para roerem essa história,
Que me tirou a paz,
De pertinaz memória.
Podes guardar, quebrar, até jogar no mar,
Ainda, se desejar,revisitar a memória,
Ter ciência do feio que fez comigo,
Roubou minha paz para ficar contigo,
És ser sem fé, um tormento, um perigo,
E para qualquer mulher sonega abrigo,
Por insensatez, crueza, não tens jazigo,
Habitarás uma cova fria,
Sem sonhos ou fantasias,
Dormirás nas noites frias.
Não te desejo mal,
Que sigas os dias teus,
Coberto das lembranças,
Deste definitivo adeus,
Que encontres a Paz,
No teu dia capaz,
E nele faças uma prece,
Para alguém que merece,
De ti perdoar a traição,
Que tanto feriu o coração.
Rezo por ti, desejo Paz,
Amor, essa doce sensação,
Que habita a alma humana,
De quem pratica o bem,
Para que encontres um Norte também,
Amar, servir, sem olhar a quem,
Uma vida colorida,
Um mundo florido,
Muito Amor e Paz,
Em tudo que há nesta vida,
Pra ti, em oração, te coloco no cartaz.














































Nenhum comentário:

A vida da gente é feita assim: um dia o elogio, no outro a crítica. A arte de analisar o trabalho de alguém é uma tarefa um pouco árdua porque mexe diretamente com o ego do receptor, seja ele leitor crítico ou não crítico. Por isso, espero que os visitantes deste blog LINGUAGEM E CULTURA tenham coerência para discordar ou não das observações que aqui sejam feitas, mas que não deixem de expressar, em hipótese alguma, seus pontos de vista, para que aproveitemos esse espaço, não como um ambiente de “alfinetadas” e “assopradas”, mas de simultâneas, inéditas e inesquecíveis trocas de experiências.