segunda-feira, 15 de setembro de 2014

O MUNDO NECESSITA DE COMUNICAÇÃO E HUMANISMO

animated-earth

O meio social enseja ao ser humano o convívio com outros, em diferentes ambientes e situações de vida. E nos diversos ambientes a comunicação entre as pessoas pode ser verbal ou não verbal. Os relacionamentos interpessoais, decorrentes de processos comunicativos, são os responsáveis pela evolução social, educacional e profissional. É através da linguagem que o ser humano expressa pensamentos e sentimentos que vão refletir comportamentos e dão razão ao viver. Então, quanto mais harmônicas e respeitosas foram as trocas comunicativas, mais felicidade sentirão as pessoas. É difícil conviver, trabalhar e interagir com gente autoritária, intransigente, egoísta, vaidosa, egocêntrica,”dona da verdade”. A vida requer humanismo. Sem ele o mundo fica pobre e caótico nas relações sociais.

Além desse aspecto humanitário no mundo do trabalho, o uso das palavras, no cotidiano das vidas, liga-se diretamente à ética. Assim, as palavras são responsáveis pela boa convivência entre as pessoas nos mais diversos ambientes em que convivem. O respeito mútuo é a palavra de ORDEM. Isso por que em ambiente harmônico as pessoas trabalham com prazer e felicidade. Quando o espaço é desarmônico, cai a qualidade dos serviços e eles se tornam sacrifícios, cargas e pesadelos.

Assim, é prudente, sempre, respeitar a ética, que corresponde aos códigos de conduta, preceitos considerados legítimos para a sociedade alcançar o bem estar. Essa ética está assentada em valores, tais como, educação, compreensão, responsabilidade, dever, tudo aquilo para a sociedade alcançar uma vida com harmonia, prazer, sabedoria, segurança, amizade, justiça e igualdade. O direito de um termina onde começa o do outro.

Para isso é preciso compreender que os valores e as crenças estão presentes em todas as relações interpessoais, principalmente em situações de conflito, quando o pensamento de uns entra em contradição com o de outros. Mas não há nada que um gesto de amor, compreensão, solidariedade e respeito não possa solucionar. O difícil é conviver com a “empáfia” e a “soberba” de tantos que desejam pisar sobre outros.

Também não se pode esquecer que o uso da palavra escrita, em qualquer veículo midiático, pode criar conceitos e consciências sociais, ou dizendo de outra forma, as palavras escritas podem mudar atitudes, comportamentos e a vida de muitas pessoas. Assim, essas palavras escritas vão atuar não somente como meios informativos, mas como lições que as pessoas podem apreender para si. Por isso é importante investir em conhecimento, por meio da formação continuada, como forma de ofertar ao mundo pessoas melhor preparadas nas profissões e ofícios.

Igualmente importante, é o humanismo. De nada adiante ter muito conhecimento e não usá-lo em prol do bem comum. Um gênio sem humanidade é como um terremoto demolidor. E a atual sociedade contemporânea, globalizada e competitiva, exige um redimensionamento de padrões de comportamento social e condena o individualismo e o egocentrismo. Exige uma retomada da divisão social do trabalho, requer respeito às diversidades e, em especial, uma atenção ao ser humano que é o centro do universo. É como diz Charles Chaplin: “ Mais do que de máquinas, precisamos de humanidade. Mais do que de inteligência, precisamos de afeição e doçura. Sem essas virtudes, a vida será de violência e tudo será perdido”.

DICAS DE GRAMÁTICA

COMO USAR TRÁS E TRAZ, PROFESSORA:

- Assim:

1) TRÁS: preposição e advérbio (atrás, detrás; em seguida, após).

Exemplos:

Não deixe nada para trás.
Ela chegou por trás da casa.
Passe por trás do veículo.

2) TRAZ: verbo (trazer) – conduzir ou transportar para cá; causar, ocasionar; oferecer, atrair.

Exemplos:

Ele traz as crianças todos os dias ao parque.
Ela traz o carro para o amigo passear.
Com as chuvas, a enchente traz doenças para a população.

Nenhum comentário:

A vida da gente é feita assim: um dia o elogio, no outro a crítica. A arte de analisar o trabalho de alguém é uma tarefa um pouco árdua porque mexe diretamente com o ego do receptor, seja ele leitor crítico ou não crítico. Por isso, espero que os visitantes deste blog LINGUAGEM E CULTURA tenham coerência para discordar ou não das observações que aqui sejam feitas, mas que não deixem de expressar, em hipótese alguma, seus pontos de vista, para que aproveitemos esse espaço, não como um ambiente de “alfinetadas” e “assopradas”, mas de simultâneas, inéditas e inesquecíveis trocas de experiências.