terça-feira, 16 de setembro de 2014

SENTIMENTO DA SAUDADE

 

Saudade é a nostalgia desacompanhada,

É um cansaço da alma acorrentada,

É uma melancolia, sensação de partida,

É uma dor sofrida,

De quando um amor ainda não foi embora,

mas o amado já...

Saudade é recordar o passado que findou,

O sonho que ficou,

A lembrança que não se apagou,

O lugar que se deixou,

O ser que ali ficou,

O vulto que em ti machucou,

Partiu, saiu para outro lugar,

Um canto qualquer,

Em companhia de outra mulher,

De ti não se despediu,

Tua alma desiludiu,

Feriu,

Foi embora desde abril.

Para sempre te traiu,

Nunca mais te terá na mente,

Pois é ser que nada sente,

Finge, engana, não pensa na gente.

Saudade é tudo que digo,

Falo e calo,

É algo mais delicado,

Que o canto desafinado,

De uma sonolenta viola,

Em noite de quarto minguante,

Faz gemer o peito e o olhar angustiante.

Saudade é sentimento doído,

Machucado, ferido,

Que vai além de mim,

A soletrar morfemas sem fim.

Um comentário:

João de Castro Azevedo disse...

A saudade é tudo isso e muito mais, estimada poeta.

A vida da gente é feita assim: um dia o elogio, no outro a crítica. A arte de analisar o trabalho de alguém é uma tarefa um pouco árdua porque mexe diretamente com o ego do receptor, seja ele leitor crítico ou não crítico. Por isso, espero que os visitantes deste blog LINGUAGEM E CULTURA tenham coerência para discordar ou não das observações que aqui sejam feitas, mas que não deixem de expressar, em hipótese alguma, seus pontos de vista, para que aproveitemos esse espaço, não como um ambiente de “alfinetadas” e “assopradas”, mas de simultâneas, inéditas e inesquecíveis trocas de experiências.